segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Bolsonaro estreia no Congresso Nacional com mensagem vazia e perversa aos trabalhadores, denunciam petistas


foto: Will Shutter/Agência Câmara

A Mensagem Presidencial encaminhada e lida na sessão de abertura dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional, nesta segunda-feira (4), no plenário da Câmara dos Deputados, repercutiu negativamente na Bancada do Partido dos Trabalhadores. Os parlamentares avaliaram que o texto é “uma cartilha cheia de palavras soltas”, com “chavões”, e que apontam para a retirada de direitos dos trabalhadores. Pelas redes sociais, os petistas classificaram a mensagem encaminhada por Jair Bolsonaro, como “sem conteúdo”, um “panfleto de campanha”.

“Projeto de Bolsonaro enviado ao Congresso é uma cartilha cheia de palavras soltas e chavões que não apresenta proposta alguma para resolver os problemas do País. Emprego, saúde, renda e programas sociais são palavras proibidas na mensagem”, criticou o deputado José Guimarães (PT-CE), em sua conta no Twitter.

O deputado Bohn Gass (PT-RS) disse que ficou impressionado com a falta de conteúdo do texto enviado ao parlamento brasileiro. “Lendo a mensagem enviada por Bolsonaro aos congressistas, fiquei com a impressão de que a assessoria se enganou e nos remeteu um panfleto de campanha. A fala do presidente vai do nada para o lugar nenhum. Sabe quantas propostas concretas contêm? Nenhuma”, ironizou o deputado.

Para a deputada Maria do Rosário (PT-RS), a mensagem apresentada no início dos trabalhos legislativos “revela um governo perdido, em que todos desconfiam de todos e não tem líder capaz e seguro”.

Para a petista, a obviedade da mensagem “serviu ao palanque de campanha de Bolsonaro”. “Mas, para governar o Brasil complexo é preciso mais capacidade, condições e projetos. Chavões não geram empregos, escolas, saúde, desenvolvimento”, criticou Rosário.


Previdência

De acordo com a deputada, o contexto de retirada de direitos dos trabalhadores – que se iniciou com o golpe parlamentar de 2016 – terá continuidade neste novo governo. “A Mensagem sabe tirar direitos: já anunciou o fim da ‘seguridade social’, separando Previdência e Assistência. Idosos, pessoas com deficiência e pobres são descartados do orçamento”, denunciou Maria do Rosário, ao lembrar que a Reforma da Previdência do Executivo também prejudicará os trabalhadores urbanos e rurais.

Acerca da Previdência, José Guimarães também questionou: “Alguém já pensou aumentar a idade das mulheres de 55 para 65 anos para que elas tenham direito à aposentadoria? Quanta perversidade! Governo vai propor idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem”, protestou.

O deputado Bohn Gass ainda conclamou a população a lutar pelos seus direitos e barrar a proposta de Bolsonaro que é tão perversa quanto a proposta do presidente golpista Michel Temer. “Jornal Estadão diz que Bolsonaro vai exigir idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. Ao se confirmar, trabalhadores devem reagir com força. Afinal, assim, a Reforma da Previdência de Bolsonaro seria ainda pior do que a de Temer, que já era tenebrosa”, salientou o deputado em sua conta no Twitter.

Benildes Rodrigues

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Justiça sequestra o direito do ex-presidente Lula velar a morte do irmão



O Brasil acordou estarrecido e indignado com a injustiça, a crueldade e a desumanidade praticadas por setores do Poder Judiciário brasileiro que impediram o presidente Lula de velar e enterrar o irmão Genival Inácio da Silva, o Vavá, que faleceu nesta terça-feira (29). Os tentáculos da perseguição ao ex-presidente não têm limites. O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal conduzida pelo ex-juiz da Lava Jato e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, não asseguraram os direitos mínimos estabelecidos na Lei de Execução Penal (Lei 7.210/1984).

A lei é expressa quando estabelece, em seu artigo 120, que “os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semiaberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer um dos seguintes fatos: I – falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão; II – necessidade de tratamento médico.  A permissão de saída será concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso”.


No entanto, para justificar mais essa arbitrariedade contra o ex-presidente Lula, o MPF tenta “flexibilizar” a Lei de Execução Penal ao afirmar que o artigo 120 não é determinante, apenas abre essa possibilidade.

Indignados com mais esse ato covarde e arbitrário, parlamentares da Bancada do PT na Câmara usaram seus perfis no Twitter para condenar a decisão tomada pela Justiça brasileira. Para eles, a decisão reafirma a condição de preso político do ex-presidente Lula.

Waldenor Pereira (PT-BA):  “É um escárnio o que acontece hoje no Brasil. Milicianos no poder e direitos básicos constitucionais sendo negados a um preso. Lula é sequestrado da justiça, preso político brasileiro”.

Marco Maia ‏(PT-RS): “Estamos diante de um duplo sequestro. O de Lula, preso e torturado político, e o da justiça, que se tornou refém dos interesses de um grupo que sabe muito bem o que quer. Não deixar Lula ir ao velório do irmão é outro”.

Leo de Brito‏ (PT-AC):  “Quando as instituições agem por vingança, elas perdem a legitimidade e a condição de instituições de um estado democrático de direito. Impedir o Lula de ir ao enterro de seu irmão, mesmo com o PT arcando com os custos, é um exemplo do Estado de exceção”

Henrique Fontana (PT-RS): “ Por lei, todos os presos têm direito de ir ao velório de pai, mãe, filho, irmãos, cônjuges. Menos um! A perseguição política ao presidente Lula se mostra cada dia mais evidente”.

Rosa Neide (PT-MT): O PT e sua militância estão com Lula neste momento de dor, exigindo que seja respeitado o seu direito legal de se despedir do irmão no velório previsto para a manhã desta quarta (30) em São Bernardo”.

Reginaldo Lopes‏ (PT-MG): “Lula nem deveria estar preso. Não é uma surpresa que tenha mais um direito violado. O mundo está vendo toda essa injustiça e essa história vai ser contada”.


Benildes Rodrigues
foto: Ricardo Stuckert

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Súplica que partiu o coração de milhões de brasileiros traduzida no Texto de Lurian: “Me leva com você”


Resultado de imagem para lurian silva filha de lula
Desabafo comovente e indignado de Lurian Silva após o depoimento do seu pai, Luiz Inácio Lula da Silva, no último dia 14 de novembro. 
Lula foi preso injusta e inocentemente há mais de 200 dias. A injustiça é uma chaga que dilacera nossas vidas. 

"Ontem eu via a imagem de um homem forte, mas triste, num embate com uma juíza e um promotor soberbos....

Ontem eu vi a justiça agir de forma cega e insensível perante um homem, de 73 anos, inocente, que luta todos os dias para que desfaçam o mínimo da maldade atentada contra ele e sua família.

Ontem eu vi uma jovem mulher que poderia entrar pra história como digna e justa, tratar um inocente com desrespeito, intolerância e total parcialidade.

Ontem eu vi a dor de um homem que injustamente está sendo privado do convívio dos seus amigos, do seu povo, mas principalmente da sua família, das pessoas que ama, dos seus filhos, netos e bisneta...

Ontem eu vi um olhar de tristeza

Ontem eu vi um olhar de indignação

Ontem eu ouvi uma súplica: “me leva com você”

Ontem meu coração partiu em mais pedaços, meu corpo se sentiu mais cansado....

Meu pai, meu amor, TODOS sabem da sua inocência, inclusive os que te julgam, condenam e maltratam. 

A história vai cobrar... não estaremos mais aqui pra ver, mas num futuro, a história mostrará quem é quem...

Continuo aqui, com fé, com amor e com esperança”

#queremosLulaLivre
Foto Divulgação

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Só o PT e Lula podem fazer o Brasil retomar as rédeas do seu próprio destino, afirmam petistas

Resultado de imagem para Imagem Lula e PT

Só o Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula podem levar o Brasil a retomar as rédeas do seu próprio destino. Essa é a avaliação dos deputados federais petistas Paulo Lula Teixeira (SP), Carlos Lula Zarattini (SP) e José Lula Guimarães (CE) sobre as recentes pesquisas eleitorais divulgadas nesta semana. Os levantamentos revelam o potencial eleitoral do ex-presidente Lula, e a força do Partido dos Trabalhadores, que continua na preferência do povo brasileiro.

Apesar de todos os esforços de setores do Judiciário e da mídia, em tirar Lula da corrida presidencial de 2018, o petista dispara nos cenários simulados de primeiro e segundo turnos, apontados pelas pesquisas. Segundo o levantamento do Ibope divulgado ontem (21), o ex-presidente lidera com 37% sobre os principais adversários. Hoje (22), o Instituto Datafolha mostra que o ex-presidente atinge 39% de favoritismo na corrida presidencial. Números que cresceram em relação à amostragem anterior (37%).

PT – Aliado a isso, o Ibope traz também um dado revelador: O PT continua sendo o partido mais querido do Brasil com 29% de preferência da população.

“Com essa intenção de votos, Lula pode ganhar a eleição no primeiro turno e será capaz de fazer o Brasil retomar as rédeas do próprio destino, reconstruir esse País, e levá-lo a sorrir novamente”, afirmou, esperançoso, o deputado Paulo Teixeira.

De acordo com o petista, os dados demonstram que a população brasileira já entendeu que o País sofreu um grande golpe. “O golpe foi contra a população, tirando direito, vendendo patrimônio público e rebaixando a nossa soberania. O povo já entendeu que o Lula está sendo vítima de uma perseguição judicial e é por isso que a população deposita suas esperanças para derrotar o golpe e construir um novo País”, avaliou Teixeira.

Imagem relacionada

Ao comentar o resultado das pesquisas, o deputado Carlos Zarattini observou que o PT é um partido enraizado no coração do povo brasileiro. “A Globo e setores da grande mídia tentaram aniquilar o PT. Não conseguiram porque o nosso partido está vinculado à luta do povo, à democracia, à soberania nacional e à justiça social”, destacou.

Para ele, o crescimento vertiginoso do ex-presidente na corrida presidencial revela que Lula é sinônimo de prosperidade, desenvolvimento e melhoria de vida. “É por isso que o povo não o abandona e o quer de volta governando o nosso País”, salientou Zarattini.

O vice-presidente Nacional do PT, deputado José Guimarães disse que a pesquisa “é o retrato do Brasil real”. “Os dados mostram que o povo quer de novo o Brasil que deu certo e repudia o golpe que destruiu o País e todas as conquistas dos trabalhadores. As pesquisas indicam que Lula e o PT são o resgate da esperança, e que eles são o único caminho possível para resgatar a democracia no Brasil”, argumentou Guimarães.

“O PT sofreu as piores infâmias por parte das elites brasileiras, representadas pelos meios de comunicação. O partido foi atacado, criminalizado. Os 29% que dizem ter o PT como seu partido do coração, revela que ninguém pode acabar com a raça petista. O Brasil ama o PT pelo que ele representa”, disse, orgulhoso, o parlamentar.

Benildes Rodrigues
Foto/Divulgação

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Marcha do MST ganha reforço internacional e chega a Brasília por #LulaLivre




Quem acompanha a Marcha Nacional Lula Livre, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), testemunha de perto a esperança estampada no rosto, a firmeza no caminhar, a determinação no canto e o ideal político expresso em faixas, cartazes e estandartes empunhados por mais de cinco mil homens e mulheres que chegaram nesta manhã (13) a Brasília. Eles deixaram suas casas, suas famílias e seus afazeres do campo para revelar ao mundo o clamor por justiça, por democracia e por Lula livre. No próximo dia 15 de agosto, eles participam juntamente com outros movimentos sociais de grande manifestação na Esplanada dos Ministérios.

Nesta segunda-feira (13), as três colunas que compõem a Marcha Nacional – Tereza de Benguela, composta por militantes da Região Amazônica e Centro-Oeste; Ligas Camponesas, formada por militantes do Nordeste; e a Coluna Prestes, com ativistas do Sul e Sudeste – entraram na capital federal, em caminhada, pelas três principais entradas da cidade.

O líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, deputado Paulo Lula Pimenta (RS), recepcionou a marcha e caminhou ao lado dos trabalhadores da Coluna Carlos Prestes. “Estamos aqui concluindo mais uma etapa da Marcha Nacional Lula Livre, onde o Brasil inteiro vai dizer ao mundo que quer a liberdade do presidente Lula, que quer Lula presidente”, afirmou Paulo Pimenta.



Foto:Lula Marques

A manifestação desta segunda-feira contou com reforços internacionais. O Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel marchou com os manifestantes, usando boné do MST e segurando faixa de protesto. “Estamos aqui em solidariedade ao povo do Brasil e pela libertação de Lula, que é um preso político”, observou Esquivel.

“É preciso ficar claro que essa política de tentar tirar Lula das eleições está sendo aplicada em todo o continente latino-americano. Não só no Brasil, mas também em Honduras, no Paraguai (…). A extrema direita está avançando na dominação dos povos”, alertou o Nobel da Paz.

Representantes do Podemos, partido político da esquerda espanhol, também participaram da caminhada. “No Podemos, da Espanha, temos claro que estamos com o povo brasileiro e com a democracia”, relatou a deputada espanhola María Espinosa. “E por isso queremos ir juntos nessa marcha, para que o povo brasileiro tenha a possibilidade de uma eleição, de mudança. Pátria Livre!”, destacou a parlamentar.

O Secretário de Organização do Podemos, Fran Casamayor, disse que “é um prazer participar dessa mobilização” por Lula Livre. “Vamos conseguir nosso objetivo”, salientou.

Os mais de cinco mil manifestantes do MST se encontrarão com integrantes de outros movimentos da Via Campesina, como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Levante Popular da Juventude. A concentração dos manifestantes ocorre no Parque da Cidade, em Brasília. De lá, os manifestantes descerão no dia 15 para a Esplanada dos Ministérios.

Benildes Rodrigues

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Certeza do povo é que Lula é um preso político, afirmam senadores após visita ao ex-presidente



Foto: Cláudio Kbene

No dia em que a prisão política do ex-presidente Lula completa 102 dias, um grupo de senadores da Comissão de Constituição e Justiça do Senado fez, nesta terça-feira (17), uma verificação das condições da Superintendência da Polícia Federal, local em que o presidente Lula se encontra encarcerado injusta e ilegalmente, desde o dia 7 de abril. Ao deixar a sede da PF em Curitiba, os senadores se manifestaram sobre o encontro com um dos maiores líderes políticos da América Latina. A iniciativa da visita foi do senador Jorge Viana (PT-AC).

“Nós visitamos todos os presos e tivemos um encontro com o presidente Lula. Ele clama por justiça. Ele não quer nenhum tipo de concessão, ele só espera um julgamento justo em respeito à sua história e ao povo brasileiro que confia nele. Vimos uma pessoa que está com indignação de quem sofre injustiça, mas aquele que também tem a paciência de esperar pela justiça”, relatou Jorge Viana, que também esclareceu o caráter oficial e suprapartidário da atividade.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), um dos integrantes da comitiva, afirmou que a visita institucional demonstra, sobretudo, solidariedade ao presidente Lula por tudo que ele “representou e representa para o País”. Destacou ainda que a presença dos parlamentares na capital paranaense significa uma “cobrança para que o processo sobre o qual o ex-presidente é vítima siga o rito da legalidade e da constitucionalidade”.

“Eu tenho certeza que não está seguindo [o rito]. A decisão do Supremo é no sentido de que você pode, em determinados casos, antecipar o cumprimento da pena e não, obrigatoriamente, como o Tribunal Regional Federal da quarta Região fez. O presidente Lula é mais do que nunca um preso político e a sua presença crescente nas pesquisas de opinião é a certeza do povo de que isso está acontecendo”, frisou Calheiros.

O senador alagoano contou que encontrou o ex-presidente “animado’ e convicto de que vai provar a sua inocência. Assim como Lula, o senador também tem a convicção de que o ex-presidente vai provar a sua inocência porque, segundo ele, não há prova, não há materialidade no processo. “A decisão de primeira instância foi estapafúrdia e com base em convicção. A decisão do TRF-4 foi apressada – em janeiro – e colocada no cenário eleitoral de propósito.  Então, tudo isso transforma cada dia mais a prisão dele [Lula] em uma prisão política. Por isso que ele cresce, continua crescendo nas pesquisas, sobretudo no Nordeste”, declarou.

O presidente da CCJ do Senado, Edison Lobão (MDB-MA) observou que o presidente Lula escolheu o caminho da prisão para manter a sua integridade. “Ele poderia ter tido uma outra intenção. Não, ele quer que provem que ele é culpado, e até que isso aconteça, ele é inocente. Ele está com convicção plena que provará a sua inocência e que sairá daqui limpo como ele sempre foi”, relatou.

Já o senador Roberto Requião declarou que que encontrou Luiz Inácio Lula da Silva “com uma vontade inquebrantável, acreditando na sua inocência e esperando que suas apelações sejam julgadas com consequência de sua liberação”.

Eleição 2018 – Ao ser questionado por jornalistas sobre a candidatura de Henrique Meirelles à Presidência da República, o senador Renan Calheiros ironizou: “Eu acho que a candidatura do Meirelles ficaria muito bem para a Presidência do Banco de Boston, para presidência da Febraban. Jamais para Presidência da República. O Meirelles não é originário do PMDB. Ele é originário da JBS. Enfim, é um candidato do sistema financeiro”, alfinetou Calheiros.

O senador Armando Monteiro (PTB-PE) também participou da visita ao ex-presidente Lula.

Benildes Rodrigues

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Organismo Internacional de Direitos Humanos reconhece caráter político da prisão de Lula



O dia 8 de julho pode ser considerado mais um marco nefasto na história do Poder Judiciário brasileiro. Nesse dia foi escancarada a face de um sistema de justiça partidarizado, ideológico e sem isenção no trato dos preceitos que norteiam o respeito à vida e à dignidade da pessoa humana. As manobras feitas pelo juiz Sérgio Moro, em conluio com a Polícia Federal e o Ministério Público para manter o Presidente Lula preso – apesar de uma determinação judicial que o libertava do cárcere arbitrário e ilegal – ganhou repercussão internacional. Nesta segunda-feira (9), a Fundação Internacional dos Direitos Humanos, com sede em Madri, na Espanha, reconheceu o caráter político da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Considerando as circunstâncias do presente caso judicial: a total ausência de genuínas e inequívocas provas, a violação do devido processo, a falta de garantias para a defesa do acusado e a parcialidade manifesta de uma parte dos juízes do processo em conta do acusado, o Patronato da Fundação Internacional dos Direitos Humanos, reunido de urgência em sessão telemática, concordou em conceder o estatuto de prisioneiro de consciência em prisão arbitrária ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, diz o texto do organismo internacional que tem representação em 15 países.

Ao comentar a posição da organização internacional, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), Luiz Lula Couto (PT-PB) disse que esse é um fato “que parte do Judiciário e o Ministério Público não conseguem compreender, ou seja, de que Lula é um preso político, e a sociedade como um todo assim o reconhece”.

Segundo o deputado, esse setor ainda está com “os olhos fechados e ouvidos que não ouvem o clamor do povo brasileiro”.

Para o deputado Paulão Lula (PT-AL), membro da CDHM, essa decisão do Patronato da Fundação chega como um “reparo” às injustiças e perseguições das quais o ex-presidente é vítima. “Foi necessário um organismo internacional, com conhecimento em direitos internacionais reconhecer que a maior liderança política brasileira é um prisioneiro político”, afirmou o deputado, que também já foi presidente da CDHM.

“Esse reconhecimento é tapa com luva de pelica na cara da Justiça brasileira”, frisou o parlamentar.

Em sua conta nas redes sociais, a deputada Maria do Rosário Lula (PT-RS) reafirmou que Lula é um preso político. “Um preso de consciência – reconhecido internacionalmente que seus direitos humanos estão violados, que não possui direitos constitucionais, sequer habeas corpus. A decisão judicial por liberdade de Lula não foi cumprida”, reclamou a deputada.

Abaixo, a íntegra da nota:

A Fundação Internacional dos Direitos Humanos concede o estatuto de prisioneiro de consciência em prisão arbitrária ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Diante dos acontecimentos que se sucederam hoje, 8 de julho de 2018, nos quais: PRIMEIRO. Tem se avaliado a solicitude de Habeas Corpus, n.º 5025614-40.2018.404.0000, por meio da qual o juiz Rogério Favretto ordenou a imediata liberdade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva; SEGUNDO. O juiz Sérgio Fernando Moro tentou suspender a ordem de liberação, mesmo se encontrando de férias e não tendo autoridade jurisdicional para tal ato; e TERCEIRO. O juiz João Pedro Gebran Neto, que também se encontrava de férias, tem ordenado suspender a resolução do juiz Rogério Favretto e manter em prisão o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Considerando, as circunstâncias do presente caso judicial: a total ausência de genuínas e inequívocas provas, a violação do devido processo, a falta de garantias para a defesa do acusado e a parcialidade manifesta de uma parte dos juízes do processo em contra do acusado, o Patronato da Fundação Internacional dos Direitos Humanos, reunido de urgência em sessão telemática, concordou em conceder o estatuto de prisioneiro de consciência em prisão arbitraria ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia aqui o documento original

Benildes Rodrigues
Foto: site Brasil 247