terça-feira, 28 de outubro de 2014

Deputados comemoram reeleição de Dilma, mas repudiam “intervencionismo" da imprensa

zaratini-drrosinha-marcon-renato
Deputados da bancada do PT na Câmara discursaram nesta terça-feira (28) para destacar importância da reeleição da presidenta Dilma Rousseff para a continuidade das políticas de inclusão. Ao mesmo tempo, repudiaram o intervencionismo de setores da imprensa brasileira no processo eleitoral. Para eles, a liberdade de imprensa e expressão conquistadas ao longo dos anos não serve de justificativa para que a mídia brasileira interfira no processo eleitoral.
“Assistimos a uma campanha que não envolveu só a oposição, mas teve apoio e reforço dos principais meios de comunicação deste País”, denunciou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP).Segundo ele, esses setores se utilizaram de todas as formas para combater o Governo e tentar impedir a renovação do mandato da presidenta Dilma.
Ele lembrou que apesar de todos os movimentos contrários, a presidenta Dilma foi à luta, soube enfrentar, debater e apresentar os bons resultados do governo. “Ela mostrou para a maioria do povo brasileiro os resultados concretos de um projeto que visou modificar o Brasil, democratizar o País, tanto no aspecto político como no social”, disse Zarattini.
Preconceito eleitoral - O deputado Dr. Rosinha (PT-PR) citou “o preconceito eleitoral” construído em cima do ódio e do qual  o Partido dos Trabalhadores é a principal vítima e foi incitado por setores da mídia brasileira.
“O ódio contra os petistas, contra os pobres, contra os pretos e contra os nordestinos foi uma construção que partiu de meios de comunicação como a revista Veja, a TV Globo, o jornal O Globo, O Estado de S. Paulo, e, é lógico, de parte dos partidos que apoiava e do próprio PSDB, do candidato Aécio Neves”, condenou Dr. Rosinha. De acordo com o petista, o PT precisa superar essa construção de ódio e mostrar à sociedade brasileira que a verdadeira construção é a de uma sociedade inclusiva, justa, com distribuição de renda.
Para o deputado Francisco de Assis (PT-SC) a campanha do ódio contra o PT não é novidade. Ele citou uma frase do ex-presidente Lula: "Eles nos odeiam pelo que fizemos de bom, não pelos nossos erros". 
O petista questionou ainda: “Por que se odeia o PT se o nosso Governo melhorou a vida dos mais pobres, elevou o salário mínimo para mais de 300 dólares, reduziu o desemprego para taxas mínimas, incluiu mais de 40 milhões de brasileiros no mercado de consumo com acesso à comida na mesa, casa, carro, e até viagem de avião?”.
Terrorismo - Já o deputado Marcon (PT-RS) acrescentou: “Quando o desespero e o terrorismo batem, o povo, o trabalhador é quem segura. O que é a revista Veja, o que é a Rede Globo, o que é a invenção de dizer que haviam envenenado o doleiro? Isso não é jornalismo. Isso é terrorismo que a direita, que o capital, que os ricos fizeram nessas eleições”, lamentou.
Intolerância - O deputado Renato Simões (PT-SP) destacou o discurso proferido pela presidenta Dilma sobre as grandes reformas estruturais do Brasil. Ele registrou também as demonstrações de intolerância ao longo do processo eleitoral.
“Infelizmente, em São Paulo presenciamos um conjunto de declarações altamente condenáveis, do ponto de vista da consciência nacional, de preconceito contra nordestinos, nortistas e pessoas pobres de todo o País, que estão sendo responsabilizadas pela vitória da presidenta Dilma como se tivessem cometido um ato lesivo aos interesses nacionais. Pelo contrário, o voto dessas pessoas orgulha-nos” disse Simões.
Em seu discurso, a deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP) citou uma frase da presidenta Dilma que classificou de comovente: “O que me leva adiante — disse Dilma — é a paixão pelo povo brasileiro”. De acordo com Janete, a presidenta deixou claro que, apesar dos preconceitos, ela (Dilma) “vai olhar todos como iguais, sem nenhum preconceito e nenhum racismo”.
Os deputados petistas Benedita da Silva (RJ)Leonardo Monteiro (MG)Valmir Assunção (BA) e Amauri Teixeira (BA) também se pronunciaram sobre a reeleição da presidenta e os abusos da imprensa.
Benildes Rodrigues

sábado, 25 de outubro de 2014

TSE condena golpismo eleitoral da Veja e obriga a revista a publicar direito de resposta de Dilma


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) condenou neste sábado (25) o atentado a democracia praticado pela  revista Veja na última quinta-feira. A revista acusou, sem provas, o envolvimento de Lula e Dilma no processo da Petrobras.  A liminar concedida pelo ministro Admar Gonzaga obriga o semánario a publicar imediatamente  em seu site, o direito de resposta da coligação Com a Força do Povo, que apoia a candidata à reeleição de Dilma Rousseff (PT).

Leia abaixo, a integra do direito de resposta. 

"A democracia brasileira assiste, mais uma vez, a setores que, às vésperas da manifestação da vontade soberana das urnas, tentam influenciar o processo eleitoral por meio de denúncias vazias, que não encontram qualquer respaldo na realidade, em desfavor do PT e de sua candidata.

A Coligação “Com a Força do Povo” vem a público condenar essa atitude e reiterar que o texto repete o método adotado no primeiro turno, igualmente condenado pelos sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por terem sido apresentadas acusações sem provas.

A publicação faz referência a um suposto depoimento de Alberto Youssef, no âmbito de um processo de delação premiada ainda em negociação, para tentar implicar a Presidenta Dilma Rousseff e o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em ilicitudes.

Ocorre que o próprio advogado do investigado, Antônio Figueiredo Basto, rechaça a veracidade desse relato, uma vez que todos os depoimentos prestados por Youssef foram acompanhados por Basto e/ou por sua equipe, que jamais presenciaram conversas com esse teor".

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

MANIFESTO: JORNALISTAS DO BRASIL APOIAM A REELEIÇÃO DE DILMA


Em 2014, quando se reivindica a recuperação da memória, verdade e justiça relativamente aos 50 anos da ditadura militar no Brasil, o país atravessa um momento decisivo da sua história. Ao lado de uma eleição presidencial e de governadores em vários estados, realizaremos uma escolha decisiva para os destinos do país no próximo período.

Vivemos um processo eleitoral no qual os donos da mídia mais uma vez mostram sua postura retrógrada, a manipulação das pesquisas busca influenciar a decisão dos brasileiros e o poder econômico mostra seu peso.

Nós, jornalistas, que lutamos pela ampliação das liberdades democráticas, por ações governamentais que ampliem as políticas da igualdade e justiça, a defesa dos direitos humanos, o combate à corrupção e às privatizações e em defesa de reformas profundas no país, como verdadeiras e democráticas reformas tributária, agrária, urbana e política, defesa do meio ambiente e das riquezas naturais do país e a democratização das comunicações, com um novo marco regulatório para o setor, não encontramos identidade da candidatura do PSDB com esta perspectiva.

Neste sentido, e na expectativa de que o próximo governo avance em suas políticas e no atendimento às reivindicações dos trabalhadores e dos movimentos sociais, nós, jornalistas que subscrevemos este manifesto, votaremos em Dilma para presidente!

Assinam o manifesto: 

Adalberto Diniz, Aderbal Filho, Admar Branco, Adriana David, Adriana Rodrigues,
Adriana Saboya, Adriane Canan, Adriano Augusto Carneiro da Silva, Adriano de Angelis, Adriano do Vale, Adriano Marcello Santos, Adriano Muniz, Adriano Roxton, Adroaldo Corrêa, Agildo Nogueira Jr, Aída Bueno, Alan Rodrigues Lima, Albenísio Fonseca, Alberto Perdigão, Alcilene Cavalcante, Alcimara Barcelos, Alcimir Carmo, Alcinea Cavalcante, Alcione Vanzoller, Aldenor Araújo Júnior, Aldo  Escobar, Alessandro Gomes, Alessandro Varela dos Santos, Alessandro Vasconcelos Bandeira, Alexandre Costa, Alexandre Miorim, Alexandre Rogério, Alfredo Job, Aline Adolphs, Aline Barcelos, Aline Gonçalves, Aline Lokschin Heberle, Álvaro Benevenutto Jr, Álvaro Marinho, Amadeu Mêmolo, Amanda da Silva Canto, Amanda de Freitas, Amanda Miranda,Amanda S. de Miranda, Amanda Utzig Zulke, Ana Alice Nogueira, Ana Claudia Araújo, Ana Claudia Nabeiro,  Ana Flávia Marx, Ana Lígia Gil Espuny, Ana Lucia Apolônio, Ana Lucia da Silva,Ana Lucia Garske, Ana Paula Aprato, Ana Paula Campos , Ana Paula V. Rogers, Ana Ribeiro, Ana Rita Mariine , Anahi Fros, Anahy Metz, Anália Feijó Köhler, Anaýde Cecília Marcarenhas Souza, Anderson Cacilhas,  André Freire, André Giusti, Andréa Crisóstomo, Andrea de Freitas, Andrea Farias, Andrea Freitas, Andréa Lara, Andréa Zilio, Andrei Fialho, Andrei Lourenço,Andreia Espírito Santo, Andressa Braun, Andressa Rebonato,  Andreza Sanches, Angela Marinho, Angela Rahde, Angelica Basthi, Angelina Quintana, Ângelo Fernandes, Anita Bittencourt,Anna Magagnin, Anna Peres, Antonio Brotas, Antônio Fausto Neto, Antônio Luiz, Antonio Pinheiro Salles, Arfio Mazzei, Ariane Lopes, Armando de Oliveira Lima, Armistrong Souza, Arthur Martins Fraga Filho, Audálio Dantas, Aureni Menezes, Áureo Moraes, Auxiliadora de Araújo Jorge Tupinambá, Ayoub Hanna Ayoub, Bárbara dos Anjos Lima, Bárbara Hora, Bárbara Novais, Barbara Paiva, Beatriz Britto, Beatriz Sallet
Bela Figueiredo, Belarmino Cesar G. da Costa, Benedito Teixeira, Benildes Rodrigues, Bete Jaguaribe, Beto Almeida, Beto Almeida, Bia Martau, Bianca Fellipsen, Biro Dantas, Bita Sória,Boanerges Balbino Lopes, Breno Perruci de Paiva, Bruna F.G., Bruna Fernanda Suptitz, Bruna Gandolfo, Bruna Gasbarre, Bruna Marçal Cabrera, Bruno Cruz, Caco Argemi, Caco Schmitt, Caco Villanova, Caio Teixeira, Camila da Silva Domingues, Camila Gonçalves, Camila Hermes, Camila Konrath, Camila Lima, Camille Soares, Candice Cresqui, Candida Maria R. Vieira,  Cândida Oliveira, Caren Suzana Fermino, Carine Prevedello, Carla Ferreira Rocha, Carla Kunze, Carla Oliveira, Carla Ribeiro, Carla Seabra , Carlos Alberto Badke, Carlos de Jesus, Carlos Eduardo B. Aragão, Carlos Jurandir Minteiro Lopes, Carlos Leite de Oliveira, Carlos Mosmann, Carlota Medeiros, Carmen Carlet, Carmen Pereira, Carolina Maria Alves, Carolline de Assis Pedreira, Catarina Mattos, Cátia Reichow, Catiana de Medeiros, Cecília Sóter, Célia Ferreira, Celina Paiva, Célio Romais, Celso A. da Rosa, Celso Augusto Schröder, Celso da Silva Dias, Celso Vicenzi, César Fraga, César Martin, Charles Scholl, Cinthy Colares, Cintia Souza, Clarissa Collares, Clarissa Peixoto, Cláudia Correa, Cláudia Rocha, Cláudio Soares, Claudia Santiago,Cláudia Vidal, Cláudia Xavier, Cláudio Curado Neto, Claudio Schuster, Cláudio Vereza,  Cláudio Wayne, Clelmo Carvalho, Cliver Campos, Clô Barcelos, Conceição Soares, Conrado Gallo,Cosette Castro, Cristiane Mohr, Cristiane Naiara Araújo de Souza, Cristina De Marco, Cristina Rodrigues, Cristine Pires , Cristine Rochol, Crystal Ferrari, Dacio Malta, Daiane Vara, Daiani Cerezer, Daisy Schio, Dal Pires, Daniel Lopes, Daniel Sampaio, Daniele Chagas de Brito, Davi Alves, David Carlos de Almeida, Dayanne Feitosa, Débora Cruz, Débora Fogliatto, Debora Marques Duarte, Deborah Lima, Deborah Moreira W. Bento Filho, Dehovan da Silva Lima, Deise Nunes, Dellano Rios, Denise Camarano, Denise Campão, Denise Mantovani, Denise Nunes, Denise Ritter, Denise Sacco, Denyse Quintas Alexópulos, Deraldo Goulart,Diana Aragão, Dica Sitoni, Diego Cabral Rosinha. Diego Sartorato, Dilson Ruas, Dinah Lopes, Dinorah Araújo, Diogo Garcia Fernandes, Divo Araújo, Dorva Rezende,Douglas Dantas, Douglas Mansur, Eberson Teodoro, Ed Blair Cavalcante Rocha, Edelberto Behs, Eden Nilo Santos, Edgar Pont, Edilson Lenk, Edna Madalozzo, Edna Pontes, Eduardo Buchhol, Eduardo Meditsch, Eduardo Seidl, Edvaldo de Almeida, Edvanildo da Cunha Lobo, Elaine Dal Gobbo, Eliana Mainieri, Eliane Silveira, Elias Machado, Eliete Ramos, Eliza Zamagna, Elizelia Almeida, Elson Faxina, Elstor Hanzen, Elton Viana, Elza Ferreira, Emanuela Lopes, Emanuelle Carvalho, Emerson França dos Santos, Emerson Machado, Emília Augusta, Emmanuel Montenegro, Enéias Forlim, Enize Vidigal, Érica Aragão, Erich Macias, Ernesto Marques, Eumar F. Silva, Evandro Baron, Evandro Luiz, Evany Sessa, Everaldo Gouveia, Evilázio Bezerra,Fabiana A. Vieira,Fabiana Caramez,  Fabiana Reinholz, Fabiano Mazzini, Fábio Queiroz, Fábio Vicentini, Fabrício Porto,Fátima Côgo, Fátima Medina, Felipe Faria, Felipe Ribeiro, Felipe Samuel, Felix Valente, Fernanda Ângelo, Fernanda Cibele Oliveira, Fernanda de Freitas, Fernanda Soares Andrade,Fernando Brito, Fernando Canto, Fernando Damasceno, Fernando Rosa, Fernando Rotta Weigert, Fhilipe Augusto, Flávia Barros, Flávio Carrança, Francisco das Chagas Leite Filho,Francisco Edmar de Carvalho, Francisco Karam, Frank Maia, Fred Ghedini, Gabriel Gabardo, Gabriel Lautenschleger, Gabriele Oliveira, Gastão Cassel, Gelcira Teles, George Prudente,Germana Duarte, Germano H. Neto, Gilmar Eitelwein, Gilmar Luís Silva Júnior, Gilmar Rodrigues, Gilmara Gil, Gilson Caroni Filho , Gilson de Oliveira Rei, Gilvana Santos, Giovanni Guizzo da Rocha, Gisele Figueiredo, Gladis Ybarra, Gláucia Reggina Loriato do Nascimento, Glauco Braga, Glênio Paiva, Gleyson Pete, Graziele Corrêa, Guaracy Cunha, Guilherme Gomes, Guilherme Santos, Gutemberg Crispin; Guto Camargo, Heber Carvalho, Helena Félix, Helly Ellery, Heloise Chierentin Santi , Helton Ricardo Barreto,Henri Figueiredo, Henrique Lammel,Henrique Silvestre, Henry Soares, Hermínio Nunes, Humberto Sampaio, Iara Cruz, Inara Claro, Indianara Jacomini, Inês Simon, Ingridy Holanda, Ireno Jardim, Isabella Chedid, Isabelle Valois Cortez, Ivan Bomfim, Ivan Giacomelli, Ivan Vieira, Ivna Carla, Ivna Galvão, Ivone Cassol, Izani Mustafá, Izolda Ribeiro Jacqueline Viana, Jairo Ferreira, Jairo Sanguiné, Jamily Dantas, Janes Sousa, Jaqueline Bacques, Jeana Laura da Cunha Santos, Jeane Gomes, Jeanice Dias Ramos, Jéssica Padilha de Menezes, Jimmy Azevedo, Joana Dutra, João Barreto, João Batista de Abreu, João Brites, João Cassino, João Clésio, João Freire, João J. Oliveira Negrão, João Manoel de Oliveira, João Paulo Vieira, João Plaça, Joelma Terto, Joice Proença , Jonas Talocka, Jordana Ferreira, Jorge Alberto Lamb Japur, Jorge Anaice, Jorge Correa, Jorge Waithers, Joria Scolforo, José Antonio Silva, José Eduardo de Souza, José Francisco Schuster, José Honório Garcia Rosha, José Lima, José Luís Zasso, José Mombelli Jr, José Nunes, José Roberto Garcez, José Sóter, Josemir Medeiros da Silva, Josiane do Nascimento Picada, Josiane Teixeira Manoel, Josias Bervanger, Jucélia Fernandes, Juliana Brum, Juliana Coutinho, Juliana Gonçalves, Juliana Maria Oliveira do Amaral, Juliana Oliveira, Juliana Reis, Julio Gardesani,Julio Oliveira, Jupira Correia, Kardé Mourão, Karen Viscardi, Karina Praça, Karine Emerich, Karlos Emanuel, Katia Fonseca, Kaulit Júnior, Keila Góes, Keiliane Gomes, Kélia Jácome, Kelli Grala Dias, Kelly Teles, Kerla Alencar, Keyla Marques, Kiko Souza, Klycia Fontenele, Larissa Gould, Larissa Lacerda, Laryssa Cabral, Laura Santos Rocha, Laurenice Noleto Alves, Laurindo Lalo Leal Filho, Leandro Moreira, Leandro Porto, Leandro Schmidt, Lena Annes, Lena Azevedo, Leo Caobelli, Leonardo Araujo, Leonel A. de Aguiar, Letícia Amaral, Leticia Kiraly, Liana Lacerda, Liana Marinho, Lidi Rodrigues, Lilian Furtado, Lilian Monteiro, Lílian Parise, Linete Martins, Lisandro Lorenzoni, Lisiane Zago, Lissandra Gallo de Mendonça, Livia Barreira, Lizandra Carpes, Lorena Kubota, Lourdes Sedlacek, Luan Antunes, Luan Iglesias Ferreira, Luana Amorim, Luana Guimarães dos Reis, Luar Maria Brandão, Lucas Pondé, Lucas Rohãn, Lucia Janh,Lúcia Rodrigues, Luciana Borba, Luciana Chagas, Luciana Hioka Van Der Linden, Luciana Keller, Luciana Waclwovsky, Luciana Wernersbach, Luciane Fagundes, Luciane Franco, Luciano Alfonso, Luciano Faria, Luciara Schneid, Lucídio Gotam, Luciene Barbiero Machado, Lucio Haeser, Ludmila Pecine, Luína Palacios, Luis Eduardo Robinson Achutti, Luis Francisco Silva, Luis Henrique Silveira, Luiz Antônio Pinheiro, Luiz Antonio Spada, Luiz Avila, Lurian Silva, Magna Sousa, Maigue Gueths, Manoela de Borba, Manoela Frade, Manu Dias, Mara Cibely, Mara Cristina Barbosa, Marçal Alves, Marcela Santos, Marcell Allyson de Souza Mota, Marcelo Chaves Carota, Marcelo Menna Barreto, Marcelo Mesquita Marinho, Marcelo Miranda, Marcelo Nepomuceno, Marci Hences, Márcia Camarano, Márcia Carvalho, Márcia Catunda, Marcia Fernanda Peçanha Martins, Márcia Maria Ximenes, Márcia Quintanilha, Márcia Sarmento Ferreira,Marcia Telles, Marcio Ferreira, Marcio Leal, Márcio Leandro da Silva, Marco Antonio Filho, Marco Aurelio Barreira Mendonça, Marco da Escóssia, Marcos Alexandre Souza Gomes, Marcos Pérez, Marcus Monteiro, Marcus Ramalho, Margarete Suzano, Maria do Carmo Andrade Lima, Maria do Carmo Pagani, Maria Emilia Portella, Maria Inês Duque Estrada, Maria José Baldessar, Maria José Braga, Maria José H. Coelho, Maria Julianna Formiga, Maria Luiza Franco Busse, Maria Luiza Soares, Maria Mello, Maria Teresa Garcia, Mariana Lopes, Mariana Martinez, Mariana Mendes, Mariana Mendes, Mariana Roggero, Mariana Selerges, Mariani Batista da Silva Ferreira, Mariani da Silva Ferreira, Marileia Maciel, Marilésia Cardoso de Aguiar, Marilia Dias, Marília Poletti, Marina Chiapinotto, Marina Fillete, Marina Mota, Marina Valente, Mário Augusto Jakobskind, Mario Xavier Antunes de Oliveira, Marisa Ribeiro, Marisa Schneider,Marla Samara, Marlei Ferreira, Marlene Ramalho Furtado, Marlise Aude, Marlise de Mattos Rodrigues, Marluce Aires, Marô Silva, Marta Cioccari, Marta Dueñas, Marta Kroth, Marta Resing, Mateus Zimmermann, Matheus Terra Teixeira, Maurício Concatto, Maurício Lima, Mauro Ferreira, Max Lima, Melissa Bergonsi, Melissa Machado, Michele da Costa, Michele Fatturi, Michelle Gomes, Michelle Rusche, Miguel Anderson Costa, Miguel Jorge, Milton Luis Cunha Ribeiro, Milton Simas Junior, Mirela Maria Vieira, Miriã Isquierdo, Mirinéia Silva do Nascimento, Miro Borges, Mônica Bichara, Mônica Lucas, Mônica Oliveira, Moyssés da Silva, Muriel Catarina, Murilo Gitel, Murilo Ribeiro, Mylene Margarida, Naira Hoffmeister, Nandressa Tomazetti Cattani, Nani Mariani, Natalia Bettin , Natasha de Araújo Souza Vilaça, Nathana Simões, Naty Lima, Neiva Alves, Nelsa Amaral, Nereo Rodrigues Mendes, Neusa Ribeiro, Newton Silva, Neyara Furtado, Nice Bulhões, Nilson Lage, Nilza Scotti, Nina de Oliveira, Olga Arnt, Olívio Fernandes, Oscar Paris, Osvaldo Faustino, Osvaldo Maneschy, Osvaldo Simões,
Otacílio Grivot, Otávio de Castro, Otávio Teixeira, Patricia Araújo Cardon, Patrícia Duarte, Patrícia Ferreira, Patrícia Karan, Patricia Leal, Patricia Linden, Patrícia Mendes, Paula Coruja, Paula Guimarães, Paula Rocha Nogueira, Paulo Bruno, Paulo de Tarso Riccordi, Paulo Miranda, Paulo Paiva Nogueira, Paulo Ricardo Moraes, Paulo Roberto Botão, Paulo Verlaine, Paulo Zocchi,Pedro Aguiar, Pedro Guilherme Dreher, Pedro Haase Filho, Pedro Luiz Osório, Peter Suzano, Pinheiro Junior, Priscila Cardoso, Priscila Rodrigues, Rachel Duarte, Rafael Guimaraens, Rahisa Oliveira Lima, Raimundo Afonso, Raimundo Correia da Silva, Ramilton Farias, Ranyelle Andrade, Raquel Kothe, Raquel Martins Ribeiro, Raquel Salaroli, Raquel Wunsch, Raynna Benevides, Rebeca Santos, Regina Célia, Regina de Oliveira, Regina Deliberai, Regina Monteiro, Reginaldo Aguiar, Reginaldo Borges, Reiko Miura, Rejane Polaca Lempek, Renan Antunes de Oliveira,Renata Machado, Renata Rodrigues Lopes, Renata Stoduto, Renato Araújo, Renato Dalto, Renato Hoffmann, Renato Rovai, Rhayan Araujo, Ricardo Amanajás, Ricardo Lisbôa, Ricardo Rojas, Ricardo Stricher, Rita Cardoso, Rita Correa Garrido, Rita Escobar, Rita Paulino, Roberta França, Roberta Leite Pinto, Roberta Pelissari, Roberta Vilanova, Roberto Carlos Dias, Roberto Santos, Roberto Vieira, Robson Estrasulas, Robson Francisco Nunes, Rodiney Santos, Rodolfo Santos, Rodrigo Binotti, Rodrigo Bruder, Rodrigo Coimbra, Rodrigo Machado,  Rodrigo Tardio, Romário Schettino, Romeu Finato,
Rômulo Gomes, Ronaldo Moura, Ronan Dannenberg, Rosa Blackman, Rosa Pitsch,
Rosane Borges Leite, Rosângela Bion, Rose Brogliato, Rose Nogueira, Rose Spina, Rubens Shinkai, Ruth Reis, Sabrina Carozzi Bandeira, Sabrina Lima, Sabrina Rauseo, Sales Coimbra,Salomão de Castro, Sâmara Paula, Samuel de Sousa, Samuel Pantoja Lima, Samuel Vieira, Sândala Barros, Sandra Aguiar, Sandra Cecília, Moyssés da Silva, Sandra Cecília Peradelles, Sandra Mara Fogaça, Sandra Marcia Xavier Tavares, Sandra Porciúncula, Sandra Werle, Santa Irene Lopes da Rosa, Sara Café Camurça de Aguiar, Sara Caprário, Sauanna Sampaio Siebra, Sergio Caldieri, Sérgio Cardoso, Sérgio Murillo de Andrade, Sérgio Rodrigo da Silva Ferreira, Sheila Faro, Sheila Maria Agostini, Silmara Cavalcante, Silvana Gonçalves,
Silvana Guimarães, Silvia Cavichioli, Silvia Mara Abreu, Silvia Medeiros, Silvia Pavesi, Silvio Berengani, Simão Zygband, Simone de Marco, Simone Guimarães, Simone Ramos, Socorro Aranha, Socorro Araújo, Solange Celere, Sonia Aguiar, Sonia Fassini, Sonia Regina Gomes, Stela Pastore, Stella Valenzuela, Sueli de Freitas, Suely Rewgina de Aguiar, Suzana Blass,Suzana Gomez Pohia, Suzana Tatagiba, Suzete Antunes, Suzy Leide Souza de Figueiredo, Sylvio Sirangelo, Tábita Marinho, Taline Schneider, Talita Galli, Tâmara Frota, Tamara Hauck,Tamara Lopes, Tanha Silva, Tânia Machado de Andrade, Tania Mariano, Tarcisio Mattos, Tarciso Franco, Tatiana Simões Soter, Tattiana Gonçalves, Tellé  Cardim, Thaíla Cavalcante, Thais Bretanha, Thais Marques de Santo, Thelmo Scarpine, Thiago Augusto Rodrigues, Thiago Cassis, Tina Griebeler, Tinoco dos Anjos, Tita Moura, Titina Cardoso, Tupa Ferrari,  Ubirajara Machado, Ulisses Nene, Ulysses Dutra, Uyara B. Sena, Valci Zuculoto, Valdete Daufemback Niehues, Valdinei César, Valmor Fritsche, Valter Bittencourt, Valter Xéu, Vander Prata, Vanessa Maia, Vanessa Pedro, Vânia Rodrigues, Vera Cardoso, Vera Damian, Vera Deisy Barcellos, Vera Lucia Sommer, Vera Perfeito, Vera Rotta, Vera Spolidoro, Verussa Veeh Ribeiro, Victor Cavagnari Filho, Viliano Fassini, Vilma Amaro, Vitor Menezes, Vitor Ribeiro, Volnei Oliveira, Volney Oliveira, Wallace de Lima Peixoto, Walmaro Paz, Walter Venturini, Wildes Lima, William Serique, Willian Assaf, Willians Barros, Wilson Carlos Braga Reis, Wladimir Miranda, Yacy Nunes, Yanko Del Pino, Yano Sérgio Delgado Gomes, Zeca Peixoto, Zelita Viana, Zilmar Borges Basilio

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

CPMI da Petrobras pode ouvir Aécio em denúncias de corrupção envolvendo o PSDB

CPMI-22-10-14-GB
A ausência do ex-diretor da Petrobras, José Carlos Consenza na CPMI que investiga supostas irregularidades da estatal na compra da refinaria de Pasadena (Texas-EUA), frustrou a oposição nesta quarta-feira (22). Com isso, o palco político montado na véspera da eleição não vingou. Na reunião, sem quórum para votação, o deputado Afonso Florence (PT-BA) apresentou, entre outros, requerimento de convocação para ouvir os senadores tucanos Aécio Neves (MG) e Álvaro Dias (PR). Aécio é o atual presidente do PSDB e será chamado para esclarecer a denúncia do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa que afirmou em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF) o pagamento de R$ 10 milhões ao ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, já falecido.
“A convocação urgente não é só do senhor Consenza, como de outros acusados, para que os respectivos partidos possam defender seus membros”, justificou Florence. Ao usar a palavra na reunião, o deputado Afonso Florence disse que a eles será dada a oportunidade de esclarecer a denúncia do ex-diretor da Petrobras. De acordo com o petista, notícias veiculadas na imprensa revelam que o delator contou ao MPF que Sérgio Guerra havia recebido o montante para “esvaziar” a CPI da Petrobras instalada em 2009. Segundo o delator, a quantia foi usada para abastecer as campanhas do partido em 2010. 
“A oitiva do senador Aécio Neves é fundamental para que esta CPMI possa elucidar os atos de corrupção que foram efetivamente praticados; os agentes corruptores; os benificiários e o modus operandi utilizado, ao mesmo tempo em que possibilitará ao depoente defender a agremiação que preside de tais alegações”, diz o requerimento protocolado na CPMI.
Ao defender os motivos que o levaram a pedir a convocação dos tucanos o petista foi enfático: “Nós, do PT, não vamos aqui dizer que, porque tem dois ou três parlamentares do PSDB citados, que todo o PSDB é feito de ladrões. Se o então presidente faleceu (Sérgio Guerra), nós queremos convocar o presidente atual, o senador Aécio Neves para que ele venha na sexta-feira prestar esclarecimento até para isentar os membros do PSDB”. Florence lembrou que denúncias como esta, quando envolvem integrantes do Partido dos Trabalhadores, acabam sendo generalizadas para todo o PT. “Queremos dar oportunidade para o senador vir aqui defender o PSDB”, disse.
Sobre a convocação do senador Álvaro Dias, o documento protocolado justifica que, em 2009, os senadores Sérgio Guerra e Álvaro Dias eram membros do PSDB na CPI da Petrobras e, com a morte de Guerra em março deste ano, “a oitiva do senador Álvaro Dias torna-se imprescindível  para que a CPMI elucide tais acusações de corrupção, permitindo, ao mesmo tempo, que apresente um contraponto às ilações daí decorrentes”.
Convocações – Além dos senadores Aécio Neves e Álvaro Dias, o deputado Afonso Florence protocolou requerimento convocando o tesoureiro do PT, Vacari Neto; Renato Duque, diretor da Petrobras e os deputados Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)  e Rodrigo de Castro (PSDB-MG).
Óbito – Afonso Florence rebateu o deputado Fernando Franceschini (SSD-PR) que decretou óbito da CPMI da Petrobras, a partir da ausência do depoente, nesta quarta-feira, última reunião do colegiado antes das eleições. “Temos trabalhado para esclarecer os fatos em curso na investigação para que possamos separar o joio do trigo. Para que possa prevalecer a verdade. Para que possamos isentar o patrimônio do povo brasileiro, a Petrobras, das consequências danosas e atos ilícitos porventura praticados... Portanto, se depender do PT a CPMI não morre hoje”, asseverou Afonso Florence.
Benildes Rodrigues
Publicado originalmente no site PT na Câmara

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Ex-diretor da Petrobras afirma que pagou propina ao PSDB. E agora, Aécio?

:
Foto: Brasil 247
Acostumado a fazer uso politico da Petrobras, a turma do PSDB foi surpreendida (?) com a bomba noticiada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta sexta-feira (17). Segundo a reportagem, o delator Paulo Roberto Costa afirmou ao Ministério Público Federal que repassou propina ao então presidente do PSDB, Sérgio Guerra.

À época, Guerra era senador por Pernambuco e, segundo a Folha, ele  seria o responsável por esvaziar a CPI da Petrobras criada em 2009.

A Folha informa que ouviu quatro pessoas envolvidas na investigação da Operação Lava Jato da Policia Federal  e que confirmaram que o líder do PSDB foi citado por Costa. Segundo a reportagem, essas pessoas afirmaram que no depoimento, Costa contou ter tomado providências para que o dinheiro chegasse ao Senador do PSDB que era oposição ao governo do PT.

A reportagem da Folha diz que a CPI da Petrobras criada em 2009 teve vida curta: foi instalada em julho e encerrou em novembro. Os dois senadores tucanos que compunham a Comissão, Guerra e Álvaro Dias (PR) abandonaram a CPI alegando rolo compressor de integrantes do governo.

Leia aqui reportagem completa

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

LULA desmente Aécio sobre permanência de Arminio Fraga no seu governo: "Nunca fiz esse convite"



Foto: Terra
Eis a íntegra da declaração do ex-presidente

"Ontem, o candidato Aécio Neves mentiu no debate da TV Bandeirantes ao falar que eu teria convidado Armínio Fraga para permanecer no Banco Central após o término do governo Fernando Henrique Cardoso. Nunca fiz esse convite. É lamentável um candidato falsificar fatos históricos em um debate para a Presidência da República." (Luiz Inácio Lula da Silva)
Fonte: Instituto Lula

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Fátima Bezerra vence oligarquia no Rio Grande do Norte com votação histórica para o Senado

fatimasenadora
Foto: Site da Senadora

Dona de uma votação expressiva no Rio Grande do Norte (54,84%), a nova senadora do PT, a deputada Fátima Bezerra (PT-RN) realizou um feito histórico nas eleições de 2014: derrotou uma aliança gigantesca, que reuniu 18 partidos. Além de um aparato midiático e financeiro, sua adversária na disputa aliou-se a todos os poderosos da política do RN.  “Ao longo da minha vida pública, esta foi a eleição mais desafiadora. Foi a disputa de caráter mais desigual que eu e meu partido já enfrentamos”, contou. Ao fazer leitura do pleito e adiantar ao PT na Câmara as prioridades do novo mandato, ela enfatizou: “a maioria da população do RN ao me dar essa votação expressiva, 808.055 mil votos, não só me fez sua representante no Senado, mas exerceu um protagonismo de eleger, pela primeira vez, uma mulher de origem popular para representá-los no Senado Federal”. Paraibana de Nova Palmeira, Fátima Bezerra emigrou ainda adolescente para Natal e lá se graduou em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professora da rede pública, presidiu o Sindicato dos Trabalhadores em Educação em duas ocasiões, além de ter contribuído com a fundação do PT e da CUT no estado. Em 2002, foi eleita deputada federal e reeleita em 2006 e 2010. Na Câmara foi relatora da lei do Fundeb e do Plano Nacional de Cultura, além de ter sido uma das idealizadoras do Piso Salarial do Magistério.

Por BENILDES RODRIGUES

Deputada, como se deu a disputa eleitoral em seu estado neste pleito?

No Rio Grande do Norte ainda há uma presença muito forte das oligarquias políticas. Portanto, historicamente, o Senado sempre foi ocupado por representantes desse setor, de políticos de carreira ou daqueles com forte poder econômico.

Dentro desse contexto, o que representa a sua eleição para o Senado?

O protagonismo político que o povo do RN imprimiu à minha vitória,  quebra essa hegemonia, rompe esse ciclo, quebra paradigmas porque pela primeira vez o estado elege uma professora de origem modesta, uma militante política. Portanto, pela primeira vez, vem representar o povo do RN alguém que não é oriundo das oligarquias, que não tem sobrenome tradicional. Vem uma militante política oriunda das lutas sociais, das lutas populares.

Na Câmara a senhora teve uma atuação forte na área educacional. E no Senado? Pretende continuar a mesma trajetória?

No campo político parlamentar coordeno o Núcleo de Educação da nossa bancada. Atuamos na defesa da educação pública e da valorização do magistério. Fui relatora do Fundeb, fui idealizadora do piso salarial do magistério, fui uma das principais articuladoras do Plano Nacional da Educação (PNE) e agora no Senado vou dar continuidade à luta em defesa da Educação tendo como foco a realização das metas do novo PNE.

Em que consistem essas metas?

Quero ajudar a presidenta Dilma, o meu Estado e os municípios  a realizarem as metas do novo PNE que consistem na ampliação e universalização do atendimento escolar, ou seja, significa mais creche, mais escolas técnicas, mais educação em tempo integral, mais expansão do ensino superior entre outros. E, passa também, pela valorização  do magistério. Nós temos o desafio que é o cumprimento da meta 17 que aponta para melhorar o padrão salarial do magistério em um prazo de seis anos e que já começa a contar. Além disso, eu defendo a federalização do piso salarial do magistério porque a maioria dos municípios não terão condições de pagar o piso que lá está.

Além da educação a senhora pretende se envolver com outros temas?

Outra grande prioridade do nosso mandato será a Reforma Política. Eu saio desta disputa eleitoral mais convencida de que a Reforma Política é essencial para que a gente possa ter um processo político eleitoral no Brasil transparente, democrático, menos desigual. Para isso, não tem outra receita, a não ser a Reforma Política com financiamento público de campanha. O Brasil precisa de uma reforma que avance no sentido de que tenhamos mais instrumentos para combater a corrupção, a impunidade, porque, afinal de contas, o que a sociedade brasileira deseja é isso, uma reforma que oxigene esse processo eleitoral que está aí  e o financiamento público para acabar com a interferência do poder econômico nas eleições e, consequentemente, mais ética, mais democracia. Que se ampliem os espaços de participação da sociedade, que incentive a participação das mulheres e da juventude. Portanto, em sintonia com o meu partido, a educação e a Reforma Política são as principais prioridades da nossa atuação no Senado.

Existem outras plataformas que a senhora pretende se empenhar?

Sim. De um lado existe o meu compromisso com a educação, mas  quero também me empenhar no debate da saúde e da segurança. São debates que passam por mais financiamento e são temas que requerem uma ponte entre o governo da presidenta Dilma e os governos estaduais, no caso específico, o governo do Rio Grande do Norte,  levando ações e verbas para que possamos ter,  nos estados, um atendimento de qualidade no campo da saúde assim como no campo da segurança. Dentro do Senado vamos retomar o debate sobre os 10%  da receita da União para a saúde, bem como a questão da receita para a segurança pública.

Deputada, há uma relação entre algumas reformas que se encontram em debate no Congresso com a aprovação da Reforma Política?

Sim. Existem as reformas igualmente importantes que precisam ser feitas como a Reforma Tributária, a Reforma Federativa (pacto federativo), assim como a democratização dos meios de comunicação e a Reforma Urbana, entre outras. Entretanto, nenhuma dessas reformas prosperará se a gente não realizar a Reforma Política pra valer. Quero estar ao lado da bancada do PT para que possamos avançar nessa direção. A política para nós do PT não é um instrumento de promoção pessoal. Política pra nós não um balcão de negócio. Política para nós é um instrumento para realizar sonhos e para defender as causas que acreditamos com vistas à construção de uma sociedade mais justa e fraterna.


Publicado originalmente no site PT na Câmara

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Líder do PT acredita em mobilização popular contra onda conservadora no cenário político

vicentinhopt1

O líder da bancada do PT da Câmara, deputado Vicentinho (PT-SP) aposta na mobilização da sociedade para combater o conservadorismo que desponta no cenário politico-eleitoral e que  permeia a composição da Câmara dos Deputados conforme se configurou o resultado das eleições para o Legislativo federal.

Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) revela que, desde o pós-1964, esse novo Congresso que surge das urnas, é o mais conservador.  As eleições de 2014, segundo o Diap, traz para o Legislativo um contingente maior de representação de militares, religiosos, ruralistas entre outros.

“A nossa bancada tem uma prática já adotada nos momentos mais difíceis e quando éramos minoria, que é a de trazer o povo para participar das decisões. Se nesta legislatura foi fundamental a participação do povo, esse próximo período legislativo vai exigir cada vez mais a participação da sociedade”, sinalizou Vicentinho.

De acordou com o petista, ou o povo se mexe ou “serão votados projetos horríveis contra os direitos humanos e contra as conquistas dos trabalhadores”. Para o líder, caso haja ameaça de retrocesso de direitos, a saída será a mobilização popular. “A receita é essa. Não tem outro jeito”.

Para Vicentinho, o novo do perfil da Câmara não é bom para a história do parlamento brasileiro. “A Câmara  ficou mais conservadora e isso é ruim. Agora, o povo votou. Inocente ou não, mas votou. Teremos que trabalhar com essa nova realidade”, ponderou o líder do PT.

Entre os refluxos apontados pelo estudo do Diap, encontra-se a bancada sindical. Esse setor  caiu  de 83 para 46 representantes. Para Vicentinho, essa diminuição, aliada ao crescimento significativo de setores empresariais, pode colocar em risco as conquistas dos trabalhadores com investida nos direitos sindicais, trabalhistas e previdenciários.

Na Câmara  os eleitores acabaram optando por renovar mais de 40% dos deputados federais. Nesse universo, incluíram seis novos partidos na Casa. A partir de janeiro de 2015, as atuais 22 legendas representadas por parlamentares passarão a ser 28.

Benildes Rodrigues com informações do Diap

Texto publicado no site PT na Câmara

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

PT elege novamente maior bancada da Câmara dos Deputados


O PT elegeu 70 deputados federais e terá novamente a maior bancada da Câmara dos Deputados no ano que vem, após a posse dos eleitos. Em segundo lugar, vem o PMDB, com 66 deputados. Em relação à bancada atual, o PT perdeu 18 vagas na Câmara, e o PMDB, cinco.

(veja lista da nova bancada anexo).

A renovação na Câmara atingiu a marca de 43,5%. Esse percentual é um pouco menor do que o verificado em 2010, que chegou a 46,4%.

As duas agremiações integram atualmente a base do governo da candidata à reeleição Dilma Rousseff. Os partidos (PT / PMDB / PSD / PP / PR / PROS / PDT / PC do B / PRB) que a apoiaram no primeiro turno elegeram 304 deputados. Atualmente, a base governista conta com 340 deputados.

Já o PSDB elegeu a terceira maior bancada da Câmara e terá 55 deputados, 11 a mais do que tem atualmente. Os partidos (PSDB / PMN / SD / DEM / PEN / PTN / PTB / PTC / PT do B) que apoiam o candidato Aécio Neves elegeram 130 parlamentares. Atualmente, essa composição totaliza 119 deputados.

Dos sete partidos médios que possuem entre 20 e 49 deputados (PSB, PP, PSD, PR, PTB, DEM e PRB), somente o PSB, o PTB, o PRB e o PR cresceram.

Já o número de partidos com representação na casa, passou de 22 para 28. Dos atuais 32 partidos registrados na Justiça Eleitoral, apenas quatro agremiações (PSTU, PCB, PCO e PPL) não elegeram representantes. Seis agremiações (PHS, PTN, PTC, PSDC, PRTB e PSL) que não tinham representação na Câmara passarão a ter em 2015.

Recursos -  Até o dia da diplomação dos eleitos (19 de dezembro), a Justiça deverá julgar recursos das candidaturas indeferidas por problemas, como falta de quitação eleitoral ou de documentação. Também se enquadram nesse caso recursos dos eleitos que tiveram o registro indeferido por força da Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10).

Atualmente, tramitam cerca de 800 processos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em alguns estados, decisões judiciais podem modificar o quadro dos eleitos. É o caso de São Paulo, onde o candidato Paulo Maluf (PP) ficou entre os oito mais votados (com mais de 200 mil votos). Se seu recurso for aceito, pode beneficiar outros companheiros de partido pelo critério do quociente eleitoral.

Equipe PT na Câmara com Agencia Camara