segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Gaviões da Fiel protesta contra desmandos do PSDB e da Globo



Gavioes

O ativismo político da torcida do Corinthians, a Gaviões da Fiel - uma das maiores torcidas organizadas do futebol brasileiro, foi exaltado por milhões de brasileiros no domingo (14). A apaixonada torcida demonstrou à sociedade brasileira a sua revolta com os atos do Governo tucano de São Paulo, que tem à frente Geraldo Alckmin, e que desviou milhões de recursos destinados à merenda escolar num esquema de pagamento de propina em contratos superfaturados. "Quem vai punir o ladrão da merenda?", questionaram os alvinegros presentes no clássico entre o Corinthians e o São Paulo na Arena do Timão, em Itaquera. A faixa sugeria ainda a revolta com a impunidade e a omissão dos meios de comunicação com os desmandos dos tucanos.

Os torcedores alvinegros, comandados pela Gaviões da Fiel, protestaram também contra o Rede Globo de Televisão que tem o domínio da transmissão dos jogos do campeonato paulista. "Futebol refém da Rede Globo", dizia uma das faixas em protesto à imposição dos horários dos jogos que seguem a conveniência da grade de programação da emissora da família Marinho.

"CBF e FPF, vergonha do futebol" protestou a fiel diante das denúncias de corrupção que pesam, principalmente, sobre a CBF e também contra a penalidade de 60 dias imposta pela Federação Paulista de Futebol às torcidas organizadas do Corinthians pelo uso de sinalizadores na disputa final entre o Timão e o Flamengo na Copa São Paulo de Juniores. Os manifestantes também protestaram contra o preço exorbitante dos ingressos: "Ingresso mais barato". Além das faixas que cobriram as arquibancadas, a multidão de torcedores que faz parte da Gaviões da Fiel cantou em alto e bom som: "Ladrão, devolve o futebol para o povão".

Para o deputado federal e ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez (PT-SP), a agremiação e sua torcida sempre se posicionaram nos momentos cruciais do país. “O Corinthians e sua torcida nunca se furtaram em manifestar opiniões, de forma correta, nos momentos políticos graves. Desta vez, não foi diferente. Manifestar é um direito de todo cidadão e jamais deve ser reprimido ou cerceado”, afirmou o deputado.

Andrés Sanchez se referiu à censura praticada pela Policia Militar do Estado de São Paulo que, no domingo, tentou proibir mais uma vez a manifestação, mas foi driblada pelos coordenadores da Gaviões da Fiel.

Repressão - A primeira ação repressora da PM paulista ocorreu na primeira manifestação protagonizada pela torcida Corinthians no jogo contra o Capivariano, também pelo Campeonato Paulista. A Fiel demonstrou sua indignação quanto à ditadura da Globo em impor o horário de 22h para transmissão da partida. Com os dizeres "Rede Globo, o Corinthians não é seu quintal", "Jogo às 22h também merece punição", a Nação Corintiana mostrou ao país os desmandos causados pelo monopólio, seja ele em qualquer setor.


Nesse jogo, a torcida foi obrigada a retirar as faixas e a PM se posicionou estrategicamente para impedir que o protesto fosse retomado. Após insistência da torcida organizada em exibir novamente os dizeres de indignação, durante o intervalo, os policiais agiram com violência na repressão e na censura aos manifestantes.

História - O episódio de domingo é mais um capítulo na longa trajetória da torcida do Corinthias. Em 1979, durante o jogo contra o Santos, a Gaviões da Fiel subverteu a ordem ditatorial que dominava o País ao exibir a faixa: “Anistia, Ampla, Geral e Irrestrita” em apoio àqueles que foram banidos do País pela ação repressora do Regime Militar.

Benildes Rodrigues com Agências. 

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Bahia terá a maior usina de energia solar da América Latina


Resultado de imagem para energia solar
O Brasil dá mais um passo importante rumo à diversificação da sua matriz energética.  Desta vez, a aposta na produção da energia solar no território brasileiro vem da Enerray do Brasil empresa responsável pela construção da maior usina solar da América Latina. O município de Tabocas do Brejo Velho, na Bahia, foi escolhido como polo indutor do empreendimento.

Conhecido como projeto Ituverava, o projeto está sendo construído pela Enel Green Power – e as obras começaram em dezembro de 2015. Calcula-se que a usina terá uma capacidade de 254 MW, com produção anual de energia estimada em 500 GWh. Estima-se também que o empreendimento entrará em funcionamento em meados de 2017 e o percentual de produção esperado deve atingir a taxa média de 4% ao ano até 2020.

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Afonso Florence (BA), destacou a diversificação da matriz energética brasileira como uma ação estratégica para o país. “Essa diversificação – na qual já está presente a energia eólica e que em breve contará também com a solar na geração de energia elétrica – é fundamental para a autonomia do Brasil e para o equilíbrio das tarifas públicas, o que terá um impacto direto no controle da inflação”, detalhou.

Florence lembrou ainda que recentemente a estiagem e a baixa dos reservatórios de água levaram à necessidade de ativação das termoelétricas, o que provocou a elevação das tarifas. Ao diversificar a matriz, segundo o líder, cria-se uma maior segurança na geração e, consequentemente, no valor das tarifas. “Com a recomposição dos mananciais a partir das precipitações dos últimos meses, o Operador Nacional do Sistema Elétrico já anunciou uma redução das tarifas”, completou.

Usina solar – O CEO (Chief Executive Officer sigla em inglês) da empresa responsável pelo projeto, Michael Scandellari, disse que o projeto é uma grande oportunidade porque o Brasil tem um mercado com perspectivas de crescimento “muito significativas” a médio e longo prazo.

“Acreditamos que o Brasil, país em que o nosso grupo tem atividades industriais há mais de 50 anos, representa uma grande oportunidade por ser um mercado com perspectivas de crescimento muito significativas a médio e longo prazo”, afirmou o executivo.

“Iniciar nossos negócios com a construção da maior usina fotovoltaica no país é uma conquista que nos enche de orgulho e demonstra a importância que o Brasil terá para nós", reafirmou Michael Scandellari.

Brasil – O aumento no consumo de energia que o Brasil está enfrentando nos últimos anos, não está sendo acompanhado pelo crescimento na geração de energia de fontes tradicionalmente presentes no país, entre as quais a hidrelétrica, e, portanto, exige uma diversificação na matriz energética.

A solução para esse problema é representada pelas usinas fotovoltaicas, que entre todas as fontes de energias renováveis são as que apresentam o menor impacto ao ambiente. Além disso,  a geração distribuída apresenta grandes vantagens econômicas.

Aneel - Nesse sentido, é importante destacar os leilões realizados no Brasil pela Aneel que estão desempenhando um importante papel para o sucesso dos empreendimentos nesse setor.

Benildes Rodrigues com site Investimentos e Notícias
Foto: Divulgação

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Petista denuncia “conluio” entre setores do Judiciário e a mídia para criminalizar ex-presidente Lula


O deputado Luiz Couto (PT- PB),em pronunciamento feito na tribuna da Câmara nesta quarta-feira (3), alertou para o perigo que o “conluio” entre instituições e setores da mídia brasileira pode causar ao País. Na avaliação do parlamentar, a imoralidade em que se transformou a relação entre órgãos do Poder Judiciário e alguns veículos da imprensa brasileira coloca em risco o processo democrático construído à custa de muitas vidas. Ele disse que a trama ardilosa montada para criminalizar o ex-presidente Lula não prevalecerá.

“A prevalecer na consciência coletiva a desonestidade de determinados setores da imprensa brasileira, em conluio com setores do Ministério Público, da Justiça e da Polícia Federal, que atuam seletivamente no vazamento e midiatização de informações, isso trará consequências muito ruins para a jovem democracia brasileira”, denunciou Luiz Couto.

Para ele, o mais recente episódio de “pistolagem midiática” está sendo desferido contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na avaliação de Luiz Couto, isso ocorre uma vez que a investida autoritária e golpista contra a presidenta Dilma perdeu fôlego. Com isso, reforça o deputado, os opositores retomam as baterias contra o maior líder popular e o mais popular presidente da história do Brasil.

Ele contou que promotores de Justiça se mostram indolentes com os malfeitos praticados por décadas nos governos tucanos de São Paulo e tentam a qualquer custo associar a figura do ex-presidente Lula à Operação Lava-Jato e envolvê-lo na Operação Zelotes. Couto argumentou que “as suspeitas infundadas soam como acusações fulminantes, urdidas com estardalhaço, trombeteadas como espetáculo, repisadas por dias a fio”. Segundo Couto, é mais uma tentativa de assassinar sumariamente a imagem do líder petista.

“As sucessivas tentativas de emboscada e linchagem contra Lula da Silva machucam, maltratam e sangram, mas não matam. Lula já é imortal na história, pela sua trajetória pessoal e epopeia política. Os assassinos de reputações não prevalecerão”, assegurou.

O deputado chamou atenção também para o que classificou de “mídia desonesta”. Segundo ele, essa mídia inverteu a garantia constitucional da presunção de inocência, preservando, no entanto, os políticos e empresários que lhe são alinhados. “Em sua sedenta ânsia, a mídia dita liberal esqueceu um importante pilar do liberalismo, invertendo a máxima, e agora quase todos são culpados, até que se prove o contrário”, protestou Couto.

“Um policial ou um promotor que, sob encomenda, só encontram o que querem encontrar, levantam uma suspeita, tramam o vazamento via um desses jornalões ou semanários carimbados da velha imprensa marrom, e está pronto o escândalo de grandes proporções”, indignou-se o petista.

Combate à corrupção – Luiz Couto lembrou que o combate intensivo a atos ilícitos só começou nos últimos 12 anos nos governos Lula e Dilma. Para ele, o Brasil apenas começou a passar a limpo a política e o Estado, depois de “séculos de intocada corrupção e sonegação fiscal”. No entanto, ele frisou que a mídia, que faz oposição a um governo que não lhe atende à expectativa, “deturpa, corrompe e falseia cotidianamente os acontecimentos”.

“Ao privilegiar a criminalização do governo federal, do Estado brasileiro e do Partido dos Trabalhadores, a imprensa partidária almeja criminalizar a própria política, porque acredita que o mercado deve prevalecer na sociedade de consumidores”, lamentou.

Poder econômico – Há também conforme apontou o deputado, uma trama de esvaziamento da política e do Estado em favor do mercado e do poder econômico. Ele disse ainda que setores de comunicação com viés liberal travam uma “ferrenha disputa por audiência, leitores e anunciantes e, que, nesse vale-tudo, esses setores da imprensa cometem os mais acintosos ataques às pessoas, como verdadeiros linchamentos públicos”.

Benildes Rodrigues
foto divulgação