terça-feira, 27 de junho de 2017

Denúncia contra Temer ganha repercussão internacional


A imprensa internacional repercutiu a denúncia contra o presidente da República Michel Temer (PMDB) feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Temer é acusado de corrupção passiva. É a primeira vez que um presidente da República é denunciado durante o exercício do mandato.

A BBC destacou o ineditismo do caso, e lembrou que Temer tem apenas 7% de aprovação. O veículo britânico também pontuou que a denúncia foi entregue ao STF (Supremo Tribunal Federal).




O jornal The Guardian destacou que a acusação é mais um golpe contra o “líder impopular”. A matéria também lembra que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é citado nos áudios entre Temer e Joesley Batista, da JBS.




Nos Estados Unidos, vários jornais também repercutiram a notícia, como o  Wall Street Journal. O New York Times também lembrou dos apenas 7% de aprovação do presidente golpista, e apontou que o futuro de Temer está nas mãos do Congresso, que deve aceitar ou não a denúncia.





Já o Washington Post publicou uma longa reportagem da Associated Press. O espanhol El País também publicou matéria em sua edição espanhola, assim como o alemão The Spiegel.



O italiano Corriere dela Sera publicou uma matéria sobre a denúncia, ressaltando que Temer teria recebido o equivalente a 140 mil euros (R$ 500 mil).




O presidente golpista e ilegítimo foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de corrupção passiva. A acusação foi feita com base nas gravações feitas por Joesley Batista, um dos donos da JBS. A partir da denúncia, o ministro Edson Fachin, do STF, aciona a Câmara, que vai decidir se autoriza ou não o prosseguimento da denúncia.  Após a votação, se o plenário do Supremo decidir aceitar a denúncia, Temer vira réu e terá de se afastar do cargo por até 180 dias.


Da Redação da Agência PT de Notícias

PT e Lula: Líderes isolados na preferência popular, diz pesquisa


Resultado de imagem para lula e ptO Partido dos Trabalhadores e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mais uma vez, mostram supremacia na preferência da população brasileira. É o que revela a nova pesquisa Datafolha divulgada neste fim de semana. No espaço de um mês, o partido saltou de 15% para 18% seu favoritismo no coração do povo brasileiro. Já o presidente Lula mantém a preferência do eleitorado na corrida presidencial de 2018, capitaneando 30% de intenção de votos.

Ao comentar o resultado da pesquisa, o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP) afirmou que os números representam o reconhecimento do povo por um partido e por um presidente da República que resgatou o Brasil para os brasileiros.

“O Lula representa esperança para o povo brasileiro. É uma figura que mostrou a capacidade de governar o País de uma forma democrática, melhorando a vida do povo brasileiro, afirmando o Brasil perante outros países, e isso é lembrado pela população de forma positiva”, avaliou Zarattini.

O ex-presidente Lula, maior presidente que o país já teve, lidera com folga a disputa presidencial. Seus principais opositores, Bolsonaro (PSC) e Marina Silva (Rede), alcançam o patamar de 16% e 15%, respectivamente.

Frisou o líder petista que a pesquisa reflete o descontentamento da população com um governo “que desgraça o país, que não tem nenhuma proposta que aponte para a saída da crise e é evidente que as pessoas voltam seu olhar para aqueles que muito fizeram para o Brasil e para o povo brasileiro”.

Zarattini disse ainda que o PT é consequência disso. “O PT soube fazer um grande governo – um governo que atendeu a população mais pobre e que agora retoma o prestígio”, salientou.

O PT deixa para trás partidos como PMDB e PSDB que estão empatados com 5% cada. Já o PSOL, PV e PDT conquistaram 1% cada. A pesquisa foi feita entre os dias 21 e 23 e foram entrevistados 2.771. A margem de erro é de 2% para mais ou para menos.

Benildes Rodrigues

fonte: PT Na Câmara

quinta-feira, 8 de junho de 2017

PT vai ao STF contra “toma lá, dá cá” de Temer



O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP), denunciou na quarta-feira (7), no plenário da Câmara, que o governo ilegítimo tem praticado uma verdadeira farra com o orçamento federal, privilegiando a liberação de emendas parlamentares de execução obrigatória para a sua base no Congresso, em troca de apoio. A bancada vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal por considerar que o governo golpista está agindo de forma inconstitucional, ao discriminar a oposição.

Segundo Zarattini, a base de apoio de Temer tem recebido recursos em volumes até dez vezes superiores aos destinados à oposição. Trata-se de um verdadeiro toma lá, dá cá, para obter a aprovação de medidas que destroem direitos da população e permitem a entrega de riquezas nacionais a grupos privados nacionais e estrangeiros, denunciou Zarattini.

Zarattini informou que nos últimos 45 dias, por exemplo, o governo liberou em média, aos parlamentares do PSC, R$ 2,4 milhões e, para o PMDB, um total de R$ 1,59 milhão. Para o PP, foram 1,57 milhão; ao PSD, R$ 1,44 milhão. “Porém, para o PT a média da liberação de emendas impositivas (obrigatórias) foi de R$ 243 mil, para o PDT, R$ 255 mil e, para o PCdoB, R$ 234 mil”, informou Zarattini.

“O governo Temer tenta sobreviver a qualquer custo e comete todo o tipo de ilegalidade, como a liberação de recursos de forma inconstitucional”, disse o líder do PT.

DIRETAS JÁ – No entendimento de Zarattini, a prática de Temer só mostra que o governo ilegítimo age com todos os instrumentos, à margem da Constituição, para conseguir aprovar matérias no Congresso como parte do pagamento do golpe que tirou Dilma do poder, como é o caso das reformas trabalhista e da Previdência. Para Zarattini, Temer já esgotou sua capacidade de governar e deve renunciar ao cargo, abrindo caminho para a convocação de eleições diretas.

O líder do PT observou que pesquisas comprovam que 90% da população quer eleições diretas. Ele lembrou que a crise atual – com 14,3 milhões de desempregados – e todas as medidas antipovo adotadas por Temer levaram o governo ilegítimo a ter o maior índice de rejeição da história recente do País. “Só 3% da população aprova Temer. Está na hora de o governo puxar o carro e ir pra casa, queremos diretas já!”, afirmou Zarattini.

O parlamentar disse também que a Bancada do PT, mesmo tendo ressalvas à atuação de certos integrantes do Ministério Público, da Polícia Federal e do Judiciário, não vai apoiar retaliações a essas instituições articuladas pela base de apoio de Temer no Congresso, por causa das ações que mostram o envolvimento do presidente golpista com corrupção. Segundo Zarattini, é preciso corrigir abusos eventualmente cometidos por agentes de Estado, mas a partir de um esforço maior que recupere a credibilidade de todas as instituições, a começar do Executivo Federal, com eleições diretas.
Foto: Gustavo Bezerra/PTnaCÂMARA