terça-feira, 16 de setembro de 2014

Brasil sai do mapa mundial da fome, aponta FAO

brasilfome

O Brasil reduziu em 75% a pobreza extrema, entendida como número de pessoas com renda inferior a US$ 1 ao dia, entre 2001 e 2012. O dado está no relatório sobre o estado da insegurança alimentícia no mundo, apresentado hoje pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). O País foi citado como caso de sucesso no esforço mundial pela redução da fome. Segundo a entidade, somente 1,7% da população (3,4 milhões de pessoas) permanece em situação de insegurança alimentar. O índice abaixo dos 5% aponta o fim da estrutural no País.

De acordo com o levantamento, o Programa Fome Zero, que colocou a segurança alimentar no centro da agenda política, foi o que possibilitou o país a atingir a redução, incluída entre os Objetivos do Milênio da ONU. O estudo também destaca os programas de erradicação da extrema pobreza, a agricultura familiar e as redes de proteção social como medidas de inclusão social no País.“No Brasil, os esforços que começaram em 2003 tem resultado em processos bem sucedidos e políticas que tem reduzido de forma eficiente a pobreza e a fome”, diz o relatório.

“Nos últimos anos, o tema da segurança alimentar foi posto no centro da agenda política do Brasil. Isso permitiu que o País alcançasse tanto o primeiro objetivo do ODM, como da Cúpula Mundial da Alimentação””, avalia a Representante Regional Adjunta da FAO para a América Latina e Caribe, Eve Crowley.

Segundo ela, os atuais programas de distribuição de renda e erradicação da pobreza estão focados na vinculação de políticas para o fortalecimento da agricultura familiar com a proteção social. “Há ainda muito a ser feito no Brasil, mas as conquistas estão preparando o país para os novos desafios que deverão enfrentar”, afirma a representante.

Eve disse que o Brasil é um dos melhores exemplos do mundo na redução da fome: “Temos obrigação de ajudar países dentro da região. Todos têm direito a uma alimentação saudável. É um imperativo político e moral”.

A consultora da FAO, Anne Kepple, ressaltou a importância de ter elevado as políticas a uma obrigação do Estado, por meio de lei. Para ela, a diferença do Brasil foi adotar um processo participativo e intersetorial que envolve diversas esferas e se tornou prioridade nacional. De acordo com Anne, entre as políticas que mais contribuíram para a redução está o fortalecimento da alimentação escolar e programas que beneficiam os agricultores familiares, um dos mais atingidos pela falta de garantia de renda.

“Isto prova que podemos ganhar a guerra contra a fome e devemos inspirar os países a seguir adiante, com a ajuda da comunidade internacional se for necessário”, dizem, no relatório, o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, o presidente do Fida, Kanayo Nwanze, e a diretora executiva do PMA, Ertharin Cousin. Eles ressaltaram que “substancial e sustentável redução da fome é possível com comprometimento político”.

(Blog do Planalto)
texto publicado no site PT na Câmara

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Artistas e intelectuais lançam manifesto em apoio à reeleição de Dilma



Foto: Mudamais
Centenas de personalidades, entre artistas e intelectuais assinam um manifesto divulgado nesta segunda-feira (15) em apoio à reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Encabeçado pelo cantor e compositor Chico Buarque, os signatários reconhecem, entre outros pontos, que “nunca o Brasil havia vivido um processo tão profundo e prolongado de mudança e de justiça social, reconhecendo e assegurando os direitos daqueles que sempre foram abandonados”.

Abaixo, a íntegra do manifesto:

A PRIMAVERA DOS DIREITOS DE TODOS: GANHAR PARA AVANÇAR

Os brasileiros decidem agora se o caminho em que o país está desde 2003 é positivo e deve ser mantido, melhorado e aprofundado, ou se devemos voltar ao Brasil de antes - o do desemprego, da entrega, da pobreza e da humilhação.

Nós consideramos que nunca o Brasil havia vivido um processo tão profundo e prolongado de mudança e de justiça social, reconhecendo e assegurando os direitos daqueles que sempre foram abandonados. Consideramos que é essencial assegurar as transformações que ocorreram e ocorrem no país, e que devem ser consolidadas e aprofundadas. Só assim o Brasil será de verdade um país internacionalmente soberano, menos injusto, menos desigual, mais solidário.

Abandonar esse caminho para retomar fórmulas econômicas que protegem os privilegiados de sempre seria um enorme retrocesso. O brasileiro já pagou um preço demasiado para beneficiar os especuladores e os gananciosos. Não se pode admitir voltar atrás e eliminar os programas sociais, tirar do Estado sua responsabilidade básica e fundamental.

O Brasil precisa, sim, de mudanças, como as próprias manifestações de rua do ano passado revelaram. Precisa, sem dúvida, reformular as suas políticas de segurança pública e de mobilidade urbana. Precisa aprofundar as transformações na educação e na saúde públicas, na agricultura, consolidando com ousadia as políticas de cultura, meio ambiente, ciência e tecnologia, e combatendo, sem trégua, todas as discriminações.

O Brasil precisa urgentemente de uma reforma política. Mas precisa mudar avançando e não recuando. Necessita fortalecer e não enfraquecer o combate às desigualdades. O caminho iniciado por Lula e continuado por Dilma é o da primavera de todos os brasileiros. Por isso apoiamos Dilma Rousseff.


Assinam o manifesto:
Fonte: Dilma.com.br
  • Aderbal Freire Filho
  • Alcione
  • Amir Haddad
  • Angela Vieira
  • Antonio Pitanga
  • Bemvindo Siqueira
  • Beth Carvalho
  • Beth Mendes
  • Caike Botkay
  • Candido Mendes
  • Carlos Levi
  • Chico Buarque
  • Chico Cesar
  • Chico Diaz
  • Dacio Malta
  • Dudu Falcão
  • Emir Sader
  • Eric Nepomuceno
  • Felipe Radicceti
  • Fernando Morais
  • Flavio Marinho
  • Helena Ignez
  • Hugo Carvana
  • Isabel Lustosa
  • Italo Moriconi
  • Ivaldo Bertazzo
  • Ivana Bentes
  • Joel Birman
  • John Nechling
  • Jose Fernando Balbi
  • Jose Noronha
  • Juca Ferreira
  • Julita Lengruber
  • Leci Brandão
  • Leonardo Boff
  • Luis Fernando Lobo
  • Luís Fernando Verissimo
  • Luis Nassif
  • Luis Pinguelli Rosa
  • Mãe Marcia de Oxum
  • Marco Lucchesi
  • Miguel Paiva
  • Nelson Sargento
  • Noca da Portela
  • Osmar Prado
  • Oto Ferreira
  • Paula Maracaja
  • Paulo Betti
  • Paulo Lins
  • Regina Zappa
  • Renato Rovai
  • Rildo Hora
  • Roberto Saturnino Braga
  • Samuel Pinheiro Guimaroes
  • Sergio Santeiro
  • Sergio Amadeu
  • Sergio Mamberti
  • Sergio Ricardo
  • Silvia Buarque
  • Silviano Santiago
  • Tassia Camargo
  • Tavares
  • Tonico Pereira
  • Toninho Horta
  • Vania Cattani
  • Vera Niemeyer
  • Zeze Motta