quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Lula e Dilma comemoram juntos 10 anos de inclusão social pelo Programa Bolsa Família

DILMA-LULA-BOLSA-FAMILIA-301013
Representantes do Governo, da sociedade civil, parlamentares, governadores, prefeitos, e bolsistas lotaram o auditório do Museu Nacional em Brasília, nesta terça-feira (30), para comemorar os 10 anos do programa Bolsa Família comemorados neste mês de outubro. O ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff, em discurso afinado, celebraram o sucesso do programa que mudou a vida de 50 milhões de pessoas (13,8 milhões de famílias) e deu dignidade e cidadania a 36 milhões que saíram da condição de extrema pobreza.

Idealizador do programa em 2003, no primeiro ano do seu governo, Lula disse que se pudesse voltar no tempo começaria com o combate à fome e a desigualdade social, instituindo novamente o Bolsa família. “O Bolsa Família integrou ao Brasil milhões de pessoas apartadas do processo social. Este é  um programa vitorioso que está mudando a história do País”, disse.

O ex-presidente lembrou que o programa foi considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como “o maior e melhor programa de transferência de renda do mundo”. De acordo com Lula, o reconhecimento internacional conquistado pelo Brasil deve-se muito ao sucesso do Bolsa Família.  Ele lembrou que o programa completou 10 anos em um País onde a injustiça predominou por cinco séculos. “Fomos eleitos para mostrar que outro Brasil é possível”, afirmou Lula.

Ao discursar, a presidenta Dilma disse que Lula criou um símbolo que mudou o País. “Quando uma ação já nasce símbolo e um símbolo vira multiplicador permanente, temos a centelha de uma verdadeira transformação”, assinalou Dilma. “Ao permitir que 36 milhões de brasileiros saíssem da miséria, o Bolsa Família fez com que o Brasil se tornasse mais Brasil”. Segundo a presidenta, “o programa passou a unir territórios desiguais e isolados, criando ambiente de esperança mas, sobretudo, atacando a desigualdade. Em breve vamos varrer a pobreza absoluta em nosso território”. A presidenta garantiu que enquanto houver famílias pobres no País, o programa Bolsa Família vai existir.

Preconceito - Dilma Rousseff rebateu os críticos ao programa e afirmou que, por trás das críticas, o que existe é “o velho preconceito clientelista”.  “O Bolsa Família não é esmola. Não é caridade. Ele é um programa de transferência de renda. É uma tecnologia social que distribui renda e combate a desigualdade”, reiterou.

A presidenta disse ainda que o ódio oposicionista ao Bolsa Família é “anacrônico, antigo e obscurantista". Para ela, “quem governou de costas para o povo não tem legitimidade para atacar o que fizemos”.

O líder da bancada do PT, deputado José Guimarães (PT-CE) prestigiou a solenidade comemorativa dos 10 anos do Bolsa Família e também destacou a importância do programa. “O Bolsa Família mudou a cara do Brasil, principalmente das regiões mais pobres. O programa é sinônimo de desenvolvimento e de geração de emprego. Ele tem transformado a vida de milhões de brasileiros”, enfatizou.

De acordo com Guimarães, o  Bolsa Família significa cidadania para as famílias brasileiras. “O Bolsa família é a grande vitória do povo simples, do povo guerreiro, que agora tem condições de colocar seu filho na escola. Mas não é só isso, as pessoas têm acesso à saúde, têm oportunidade de profissionalização, de conquistar uma vaga no mercado de trabalho. Isso aqueceu o nosso mercado interno. Estamos crescendo de forma sustentável”, afirmou.

Emocionada, a ex-beneficiária do Bolsa Família, Odete Dela Vechio, do município de Guaíba (RS),  disse na cerimônia que deixou o programa porque a integração do Bolsa Família ao Pronatec permitiu que concluísse curso que lhe dá oportunidade de atuar hoje na construção civil.

 “A construção civil hoje está acessível para as mulheres e pude ter uma oportunidade. Tudo o que eu recebi e conquistei começou com o Bolsa Família, onde me cadastrei cinco anos atrás. Posso dizer que já fui, com orgulho, uma beneficiária do programa e que, se precisar, voltarei a sê-lo, mas hoje não estou precisando ser. Estou muito feliz com o meu trabalho”, relatou sob aplausos das centenas de pessoas que lotaram o auditório.

Benildes Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário