terça-feira, 5 de agosto de 2014

CPI da Petrobras: Veja faz denúncia vazia para abafar desmandos de Aécio, afirmam petistas


ferro-simoes

Os deputados do PT, Fernando Ferro (PE) e Renato Simões (SP) se revezaram na tribuna da Câmara nesta terça-feira (5) para alertar a população brasileira sobre a tentativa da revista Veja de criar fatos políticos para encobrir o escândalo que envolve a construção de um aeroporto nas terras da família do presidenciável Aécio Neves, no município de Cláudio (MG).

“Acho que há um componente abafa nessa história. Até porque o Sr. Aécio Neves não esclareceu direito a construção de um aeroporto para familiares em Minas Gerais. A tentativa de esconder esse fato os leva a diversificar os assuntos e a introduzir  temas, como o que foi colocado pela revista no fim de semana”, denunciou Fernando Ferro.

O semanário publicou na última edição a denúncia de que os parlamentares da base do governo, que compõem a CPI da Petrobras, “vazaram” as perguntas que seriam feitas aos depoentes no decorrer das audiências da referida comissão.

Fernando Ferro lamentou a prática adotada pela revista e a classificou de “tentativa ridícula de criar um escândalo onde não existe”. Ele lembrou que em todas as CPIs existe a preparação de respostas e perguntas. Para ele, esse procedimento é corriqueiro e natural para os que enfrentam “um tribunal de inquirição”, como acontece nas audiências.

“Não houve nada de escândalo. Na verdade, o escândalo é a tentativa de transformar uma gravação clandestina em um escândalo. E a revista Veja, esse esgoto de jornalismo, é useira e vezeira”, alfinetou o petista.

Na avaliação do deputado Renato Simões, o semanário faz “tempestade em um copo d’água sem água” ao querer transformar essa “brincadeira” da revista Veja num escândalo. “Querer dizer que os parlamentares não preparam as suas perguntas com antecedência, não as tornam públicas até mesmo nos sites, que as assessorias de empresas importantes, como a Petrobras, não preparam, até em respeito a este Parlamento, as informações que serão prestadas, é um absurdo”, criticou Renato Simões.

Simões disse ainda que essa história de preparação das audiências como se elas fossem algo de extremo sigilo, não cola. Para ele, “agir como se as perguntas não estivessem já na Internet, como se as pessoas não acompanhassem as perguntas que vieram e que foram feitas anteriormente, como se isso fosse um escândalo da República, realmente é algo para boi dormir”.

Metrô SP - Renato Simões frisou que a CPI da Petrobras vem cumprindo seu papel. No entanto, ele fez questão de observar que o mesmo não acontece em relação à CPMI do Metrô do São Paulo, que foi criada, mas até o momento aguarda a sua instalação.

O petista denunciou a prática adotada pelos oposicionistas. Segundo ele, o Secretário de Comunicação na gestão do Governo Geraldo Alckmin, esteve reunido com parlamentares para barrar a instalação da CPMI do Metrô. De acordo com o deputado, o objetivo da CPI é investigar  denúncia de corrupção que envolve mais  de R$ 500 bilhões.  Entre os denunciados estão funcionários públicos e grandes empresas transnacionais que operam no metrô e na CPTM de São Paulo.

“O secretário do Governador Geraldo Alckmin veio a Brasília se reunir com parlamentares tucanos para impedir o parlamento de funcionar, como eles fazem no Estado de São Paulo, onde a Assembleia Legislativa não tem prerrogativas de investigação dos desmandos tucanos”, lamentou Simões.

Ele lembrou ainda que “há 20 anos eles se sucedem no Governo do Estado de São Paulo se concedendo atestados de idoneidade moral que nunca foram postos à prova”.

Benildes Rodrigues
Texto publicado originalmente no site PT na Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário