segunda-feira, 9 de março de 2015

Mercadante condena tentativa de 3º turno e defende cultura de tolerância

Mercadante
foto: Ichiro Guerra
O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, em entrevista nesta segunda-feira (9), mandou um recado para aqueles que não se conformam com o resultado eleitoral de outubro de 2014.  "A primeira regra do sistema democrático é reconhecer o resultado das urnas. No Brasil, só tem dois turnos, não tem três turnos. Uma eleição acaba quando alguém vence e nós vencemos", enfatizou o ministro.

Na avaliação do ministro Mercadante, a eleição presidencial foi bastante polarizada, teve momentos de radicalização e é preciso construir uma cultura de tolerância, diálogo e respeito. “É isso que ajuda a construir uma agenda de convergência", defendeu Mercadante.

Para o ministro, as manifestações contrárias à presidenta Dilma Rousseff - referindo-se a atos ocorridos durante pronunciamento da presidenta Dilma no domingo – fazem parte do processo democrático. No entanto, considerou, “espero que os meus filhos e netas, só venham a conhecer golpe e retrocesso pelos livros de história e que eles possam viver a democracia".

Aloízio Mercadante disse ainda que as manifestações são resquícios da polarização das eleições e se deram em cidades e bairros onde Dilma foi derrotada.

Ajuste Fiscal – Outro tema abordado na entrevista do ministro foi a proposta de ajuste fiscal apresentado pelo governo. Mercadante foi enfático em afirmar que são medidas necessárias para aumentar os investimentos. Ele afirmou também que se o país promover o ajuste, o atual rating brasileiro será mantido pelas agências de classificação de risco.  “Ajuste fiscal é agradável? Não. É que nem ir ao dentista: ninguém quer, mas tem que ir. Quanto mais rápido, melhor para o país", comparou Mercadante.

Questionado sobre um possível plano B para aprovar o ajuste fiscal, Mercadante disse que o governo tem mantido um diálogo com o Congresso Nacional em apoio aos ajustes e,  que, a maioria deles, depende do próprio governo.  “Plano B? 80% do ajuste é do governo e está sendo feito. Temos tido um diálogo muito construtivo com o Congresso e, do nosso ponto de vista, conseguiremos viabilizar a aprovação das medidas", asseverou.

Benildes Rodrigues com Agências
publicado originalmente no site PT Na Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário