quarta-feira, 8 de maio de 2013

Gleisi anuncia novos procedimentos para demarcação de terras indígenas


Foto: Gustavo Bezerra

GleisiMancheteA ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, informou hoje (8) que até o fim de junho serão definidos novos procedimentos para a identificação e demarcação das terras indígenas no País. Ela esclareceu que, além da Fundação Nacional do Índio (Funai), o  órgão responsável pela demarcação, participarão também do processo o Ministério do Desenvolvimento Agrário e a Embrapa.   A informação foi passada em audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

“O papel do governo é garantir direitos e mediar conflitos”, disse a ministra, ao lembrar que  a Presidência da República – que homologa as áreas como território tradicional indígena – segue as leis e a Constituição.  Mas reconheceu que é preciso mais clareza aos estudos  feitos pela Funai para efeitos de demarcação, daí a necessidade de mudanças dos ritos e dos procedimentos administrativos.

Segundo Gleisi, a Embrapa, por exemplo, foi incorporada aos demais órgãos do governo no processo em virtude do volume de informações que a empresa possui sobre o território brasileiro.  Ela lembrou que a Embrapa não emite laudo antropológico e não faz avaliação sobre o que é ou não terra indígena.  Mas como dispõe de bancos de dados sobre a situação fundiária e agrícola do País,  a empresa  poderá “ajudar o governo a tomar decisões precisas, a partir de informações qualificadas“.


Portaria - Gleisi rebateu as críticas feitas pela bancada ruralista pela não aplicação da portaria 303/12, da Advocacia-Geral da União (AGU). Essa portaria estendeu para todos os processos de demarcação de terras indígenas as condicionantes adotadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do processo que reconheceu  a comunidade indígena da Raposa Serra do Sol, em Roraima. A ministra disse que a portaria foi suspensa em virtude da judicialização da questão e que o governo aguarda decisão do STF sobre o assunto. Gleisi reparou que a mesma “veemência” com que os deputados ruralistas cobram do Executivo a aplicação da portaria não ocorre em relação ao STF.


O líder da bancada do PT, deputado José Guimarães (PT-CE),  que acompanhou a audiência pública, ressaltou que as ações do governo da presidenta Dilma Rousseff  sustentam-se em preceitos constitucionais,  que são “elementos fundantes de um governo democrático”.  De acordo com ele, o debate sobre as terras indígenas não pode ser maniqueísta.

“Não pode ser estabelecida entre ruralistas e comunidade indígena uma contradição que não seja possível superar. Não se pode estabelecer o ódio de classes. A mediação precisa estar presente. O tudo ou nada não vão dar conta da necessidade do conjunto de mudanças que precisamos fazer, a partir do Legislativo”, disse Guimarães.   Ele defendeu a reformulação sistema jurídico brasileiro e acrescentou: “O arcabouço jurídico que aí está não atende a realidade do País e não foi criado pelo PT”, afirmou.
Benildes Rodrigues
Matéria publicada originalmente no site PT Na Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário