terça-feira, 18 de dezembro de 2012

CPMI do Cachoeira: Blindagem de Marconi Perillo derruba relatório, diz relator



O relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), apontou que a “blindagem” ao governador tucano Marconi Perillo (GO) e ao empresário Fernando Cavendish, ex-diretor da Delta, foi preponderante para a rejeição, nesta terça-feira (18), ao relatório final da comissão.


“O que derrotou o nosso relatório foi a blindagem Marconi Perillo-Delta. Queriam que eu retirasse questões elementares do nosso relatório, que são o núcleo central da organização criminosa e suas ramificações. Não aceitei e fomos derrotados”, lamentou. “Quem votou contra o nosso relatório blindou o governador Marconi Perillo e a empresa Delta”, reiterou Odair Cunha.

Foram 18 votos contra o parecer e 16 favoráveis. Com a rejeição do relatório principal, a comissão analisou o voto em separado (relatório paralelo) do deputado Luiz Pitman (PMDB-DF), que remete ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal todo o trabalho produzido pela comissão. O relatório paralelo contou com a aprovação de 21 parlamentares. Apenas sete votaram contra o relatório do pemedebista.
Pizza – Ao comentar o relatório paralelo que é composto de uma página e meia, o deputado Odair Cunha classificou de “lamentável” que todo o esforço da CPMI não tenha, diante de provas incontestes, resultado na punição de quem se aliou à organização criminosa investigada. Para ele, a comissão se negou exercer sua missão essencial: “levantar provas, identificar indícios e apresentar conclusões”. Segundo o petista, o relatório aprovado é um “nada”, um “vazio”, uma “pizza geral”. “Não leva a nada nem a lugar nenhum”, constatou.

Forças espúrias – Para o vice-presidente da comissão, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), a rejeição ao relatório de Odair Cunha significa que os “interesses do Perillo, da Delta  e do Cachoeira se comungaram para derrotar o relatório, ou seja,  ele foi derrotado pelas  forças espúrias que se aliaram”, condenou Paulo Teixeira.

Para o deputado Dr. Rosinha (PT-PR), membro da comissão, o resultado final dos trabalhos da CPMI foi uma “tremenda decepção”. De acordo com o petista, o esforço de setores da imprensa que em transformar os trabalhos da comissão em “pizza” se concretizou. “Aquilo que parte da imprensa nacional queria e trabalhou para transformar o trabalho em jargão popular de pizza se efetivou”, lamentou Rosinha.

Segundo o parlamentar essa “pizza” veio por meio do PSDB que, para ele, faz discurso moralista, mas “na hora de votar pelo indiciamento e investigação dos seus pares, como o governador Perillo de Goiás, eles não o fazem e votam  favorável à organização criminosa do Carlos  Cachoeira”, denunciou  Dr. Rosinha.

De acordo com o deputado, o que foi aprovado, hoje, na comissão, Marconi Perillo e Carlos Cachoeira saem ilesos da investigação. “Pelo voto da maioria do PSDB e parte do PMDB, eles saem daqui santificados”, ironizou o petista.
Benildes Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário